Homem escuta “assobio” vindo dos testículos e é o primeiro do mundo diagnosticado com “assobio escrotal”

Parece piada, mas não é. O fenômeno clínico bizarro foi publicado na revista científica American Journal of Case Reports

de Redação Jornal Ciência 0

O homem de 72 anos, que não foi identificado para preservar sua imagem, apareceu em um hospital, em Ohio, EUA, reclamando de um “assobio” que parecia vir dos testículos, rosto inchado e aperto no peito.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Quando os médicos realizaram exames no paciente, que se comportava de forma angustiante, perceberam que sua vida estava correndo risco.

O ar havia vazado de seus pulmões para o espaço entre os pulmões e o peito. Isso fez com que seus pulmões entrassem em colapso (pneumotórax) e, no exame físico, o homem apresentava um som crepitante no peito.

Seus pulmões colapsados ​​também levaram ao enfisema subcutâneo — condição que ocorre quando o ar fica preso sob a pele ou tecidos. O ar estava preso, principalmente no tecido do estômago, no saco escrotal e no períneo.

Embora não seja necessariamente perigoso e nem requeira tratamento, podem ocorrer complicações que pressionam o coração e os pulmões.

Os médicos então descobriram que o homem tinha uma ferida aberta no lado esquerdo do saco escrotal, de uma cirurgia que havia feito 5 meses antes.

Foi essa descoberta, uma ferida aberta pós-cirúrgica, que resolveu o mistério bizarro do motivo pelo qual seu escroto estava “assobiando”.

A ferida tornou-se uma maneira de o ar preso sob a pele sair, explicaram os médicos em um estudo de caso publicado na revista American Journal of Case Reports. Este é considerado o primeiro caso do mundo de “assobio escrotal”.

Dois tubos foram inseridos no tórax do paciente para ajudar a drenar o excesso de ar. Mas sua condição piorou quando ele foi transferido para outro hospital para tratamento. Outro tubo foi adicionado e, felizmente, em três dias, os exames de imagem começaram a mostrar melhora no quadro clínico do tórax.

Esta tomografia computadorizada do abdômen inferior do paciente mostra a quantidade de ar (áreas pretas) dentro de suas coxas e saco escrotal

Mas, o excesso de ar no saco escrotal, coxas, períneo e abdômen permaneceu por mais de 2 anos, o que foi considerado “anormalmente longo” para um enfisema subcutâneo. Somente agora, curado, os médicos puderam publicar o caso na revista médica.

O ar preso no saco escrotal, especificamente, é chamado de pneumoescroto, e apenas 60 casos foram descritos anteriormente na literatura, mas nenhum destes casos ocorria “assobios”.

O Dr. Brant Bickford e sua equipe disseram que “nenhum dos casos documentados anteriormente incluía uma rota para o ar escapar da cavidade torácica para fora do corpo, como foi o caso de nosso paciente com uma ferida aberta no escroto”.

Portanto, o Dr. Bickford se tornou o primeiro no mundo a descrever um caso de pneumotórax onde o ar encontrou um lugar inusitado para sair em forma de assobios.

O paciente teve que passar por dois procedimentos em seu escroto para aliviar o ar preso. Os médicos nunca descobriram por que ele acabou com o ar preso e os pulmões colapsados, o que geralmente é causado quando ocorre uma lesão no peito — o que não foi o caso.

Fonte(s): The Sun / American Journal of Case Reports Imagens: Divulgação

Jornal Ciência