Existe uma condição genital masculina chamada “bolas azuis” que faz homens terem testículos nesta cor

de Bruno Rizzato 0

Muita gente faz piadas com o termo “bolas azuis”, fazendo uma referência aos homens que ficaram um bom tempo sem realizar práticas sexuais.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O termo usado entre os médicos realmente era “bolas azuis” e apareceu pela primeira vez em 1916, nos EUA. Embora naquela época a expressão também fosse usada para nomear “qualquer infecção sexualmente transmissível”, a condição realmente pode ocorrer nos testículos humanos.

De acordo com a medicina moderna, as “bolas azuis” são uma síndrome: a “hipertensão do epidídimo”. Informações de pesquisadores sobre saúde sexual da Universidade da Califórnia em Santa Barbara (EUA) afirmam que quando um homem fica excitado, as artérias que transportam o sangue para os genitais aumentam, enquanto que as veias que saem da área genital diminuem em espessura. Isso resulta em um grande volume de sangue preso na área genital.

Com isso, menos sangue consegue escapar da área e um fluxo sanguíneo irregular provoca uma ereção. Porém, os testículos também incham entre 25% e 50%. Segundo o portal Diário de Biologia, caso a pressão não seja liberada, poderão ocorrer problemas: “Durante a excitação prolongada que não se segue de ejaculação, pode haver uma congestão de fluidos na região dos testículos. Quando isso acontece, pode haver um acúmulo de sangue na região dos testículos deixando-os levemente azulados”, explicou a bióloga Karlla Patrícia em seu artigo.

As “bolas azuis” levam este nome porque, às vezes, elas, literalmente, ficam azuis. Normalmente, a ejaculação aliviaria a dor causada por esta condição, mas nem sempre isso acontece, precisando de ajuda médica.

Além da dor genital, a hipertensão do epidídimo também pode causar dores de cabeça, dores musculares e mau humor. Há relatos sobre casos mais graves, com fortes dores de estômago registradas.

Fonte: Diário de Biologia / Science Dump Foto: Reprodução / Science Dump

Jornal Ciência