Como a literatura antiga poderia ajudar a prever a próxima tempestade solar

de Otto Valverde 0

A antiga literatura japonesa e chinesa que descrevem fenômenos meteorológicos espaciais dos séculos passados ​​poderiam nos preparar para as grandes tempestades solares do futuro, segundo os cientistas.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Embora as chamas solares causem perturbações generalizadas na Terra, elas não deixam um rastro físico para os cientistas estudarem. 

Pesquisadores japoneses estudaram dois volumes históricos: Meigetsuki (“O Registro da Lua Clara”) e Song Shi (“História da Canção”), que cobrem a história da música do século X ao século XIV.

“Combinando literatura, datação de anéis de árvore e observação espacial, descobrimos padrões claros na atividade solar e eventos astronômicos”, disse um dos cientistas espaciais Hiroaki Isobe, da Universidade de Kyoto, no Japão.

“Hoje em dia, as grandes tempestades solares podem perturbar significativamente as redes de energia e os satélites. Estamos cada vez mais suscetíveis a eventos solares, e a percepção adquirida através de documentos históricos que nos permite prever e preparar melhor o futuro”.

Em Meigetsuki, o poeta japonês Fujiwara Sadaie menciona ver vapor vermelho e branco no céu noturno nos dias 21 e 23 de fevereiro de 1204 – interpretado como um sinal de uma tempestade magnética atingindo a Terra na época.

“O vapor vermelho apareceu no norte e no nordeste”, escreveu ele. “Era como uma montanha distante ardendo. Era muito terrível.”

Enquanto isso, uma grande mancha solar, um sinal de intensa atividade magnética no Sol, também foi registrada durante o mesmo período em Song Shi.

“Encontramos cerca de 10 incidentes de auroras prolongadas durante este período”, diz outro dos pesquisadores. 

Estes textos permitiram construir uma cronologia da atividade do tempo espacial e também revelou que as auroras eram mais prevalentes na fase máxima dos ciclos solares.

As tempestades solares ocorrem quando explosões de partículas do Sol atingem o oxigênio e o nitrogênio na atmosfera da Terra e no campo magnético. Eventos solares especialmente graves, as ejeções de massa coronal (CMEs) podem causar grandes problemas em nosso próprio planeta.

Uma grande tempestade solar hoje pode derrubar satélites, GPS, internet e outros sistemas de comunicação, embora os escritores do antigo Japão e China não tivessem tido muito que se preocupar além das misteriosas luzes do céu. 

A última tempestade realmente significativa em 1859 deu choques elétricos aos operadores de telégrafos e produziu nuvens noturnas luminosas, mas as consequências podem ser muito mais grave – graças ao progresso tecnológico.

Outro problema é que ninguém realmente sabe quando a próxima tempestade séria vai acontecer. Os pesquisadores agora estão analisando mais textos antigos que podem conter pistas para traçar a história da atividade solar e eventos meteorológicos incomuns.

Textos que anteriormente foram ignorados em termos de conteúdo científico ou factual poderiam ter pedaços de informações úteis neles, dizem os pesquisadores – e qualquer padrão de tempestade solar que identificarmos poderia ajudar a prever fenômenos semelhantes no futuro. As descobertas foram publicadas em Space Weather.

Fonte: Science Alert Foto: Reprodução / Science Alert

Jornal Ciência