Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

“Bromossexuais”: amizade entre heterossexuais e gays aumentou, segundo pesquisadores

de Merelyn Cerqueira 0

Por muito tempo, as amizades entre homens gays e heterossexuais – o que muitos chamam de “bromossexuais” (bro = amigo) – eram tidas como incomuns.

A homofobia, provavelmente, era um dos motivos principais para tal constatação. Por outro lado, há que acreditasse que a falta de interesses em comum poderia ser o principal fator. No entanto, em um artigo para o The Conversation, pesquisadores afirmaram que esse cenário mudou e que, ultimamente, essas amizades começaram a receber mais atenção, aceitação e interesse.

Hoje, o conceito por trás do termo é bem explorado e retratado em filmes, livros e blogs. Até mesmo o jornal The New York Times, em outubro deste ano, dedicou um artigo em sua seção de Estilo para “A Ascenção da Amizade Bromossexual”.  Tal normalização e aceitação são uma boa notícia, uma vez que reduzem a intolerância. No entanto, cientistas ainda não haviam estudado a dinâmica por trás dessas amizades: por que se desenvolvem e como são mantidas.

bromossexual_02
Chris Pine ( esquerda ) e Zachary Quinto ( direita )

Recentemente, uma equipe de psicólogos comunitários, evolucionistas e sociais iniciou um programa de pesquisa com a intenção de estudar o tema. Mais especificamente, eles tinham interesse em analisar as razões pelas quais héteros e gays se tornavam amigos (ou permaneciam mesmo após um se revelar gay).

Falando sobre uma pesquisa ainda em andamento, os cientistas revelaram que exploraram alguns dos resultados positivos das amizades, incluindo a teoria proposta de que gays e héteros podem ser ótimos companheiros. A amizade entre gays e heterossexuais sempre existiu, mas de fato sempre houve muitos obstáculos. Muitos dos homens hesitavam em fazer amizades com gays porque temiam assédio e rejeição por parte de outros companheiros heterossexuais mais intolerantes. No entanto, a crescente aceitação da homossexualidade atenuou alguns destes medos, embora ainda existam algumas barreiras.

Homens gays, particularmente os que vivem em ambientes mais conservadores, permanecem cautelosos em relação a esse tipo de amizade, porque temem uma rejeição que há muito é alimentada por preconceito. Há de se considerar ainda, que a noção tradicional de que homens gays e héteros não podem se relacionar como amigos íntimos é inerentemente homofóbica e falsa.

Logo, os cientistas propuseram que amizade não só é possível como também pode evoluir para ser extremamente gratificante. Então, ao invés de se concentrarem nos fatores que impedem a amizade, eles resolveram focar no motivo pelo qual elas têm potencial de se formar e prosperar. De certa forma, quando se trata de amizades “bromossexuais”, a responsabilidade maior sempre recai ao homem heterossexual. Se eles possuem uma mente mais aberta e fazem um esforço para tentar a relação, então os homossexuais se sentem mais confortáveis em responder de maneira recíproca.

bromossexual_03
Tom Daley ( esquerda ) e Liam Payne ( direita )

Os pesquisadores ressaltaram que o momento em que essas amizades se formam pode ser crucial para seu desenvolvimento, uma vez hoje é relativamente mais fácil para um homem se revelar gay. Considera-se que, os gays que revelaram a orientação aos amigos mais cedo na vida tendem a ser capazes de construir amizades mais abertas e honestas com eles enquanto em fase adulta.

Ainda, pesquisas recentes argumentam que o gênero e orientação sexual pode não ser tão “preto no branco” como antes se pensava, o que naturalmente abre novos caminhos para explorar como a amizade “bromossexual” ocorre. Se um heterossexual e seu amigo gay forem menos rígidos sobre os temas de masculinidade e sexualidade, provavelmente serão mais propensos a discutir detalhes de ambos os casos de uma forma mais aberta um com o outro.

As amizades também são fortalecidas quando ambos os lados revelam informações pessoais, que podem incluir a discussão sobre experiências sexuais. Também, a capacidade de dar e receber conselhos poderia fomentar ainda mais o sucesso da relação. Por outro lado, porque as mulheres costumam confiar mais nos conselhos dos gays, eles tendem a ser bons “copilotos” quando o assunto é paquera. Por exemplo, um gay poderia atestar as boas intenções de seu amigo heterossexual diretamente para uma mulher, enquanto o mesmo não funcionaria com eficácia se ambos os homens fossem heterossexuais.

Por fim, os pesquisadores acreditam que ter um confidente para ajudar nas buscas românticas é uma das principais razões para que os homens gays e héteros embarquem em uma amizade “bromossexual”.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência