A incrível transformação de ex-viciada em heroína e crack que já chegou a ter 19 overdoses

Ela começou a usar crack e heroína quando tinha apenas 15 anos. Após 19 overdoses e perder a guarda do filho, decidiu mudar de vida.

de Thuany Motta 0

Madison McManus, uma mulher de 28 anos de Nova Jersey, EUA, surpreendeu a internet após mostrar sua impressionante transformação de três anos longe das drogas. Por mais uma década, ela foi viciada em crack e heroína e compartilhou sua história em um grupo do Facebook chamado The Addict’s Diary (algo como “o diário de um viciado”, em inglês).

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Madison, que começou a consumir crack e heroína quando tinha apenas 15 anos, abandonou a escola porque “não conseguia parar de usar”, revelou em entrevista ao jornal britânico Daily Mail. Ela só conseguiu parar com o vício após vários anos de prisão, uma vida nas ruas e um total de 19 overdoses.

“Eu estava na minha primeira reabilitação, aos 15 anos, arrastando minha família para o meu vício e machucando eles e outras pessoas”, lembra ela, que aos 18 anos passou nove meses sem usar drogas e teve uma filha, cuja custódia acabou desistindo temporariamente devido ao seu vício.

“Isso me afastou de tudo e de todos e deu início a uma vida de sem-teto de seis anos em uma cidade dura e sombria”, explica Madison. “Fiquei com tanta vergonha e me arrependi muito de perder minha filha, de perder minha família e de me perder”, confessa.

Madison, que foi várias vezes presa por posse de drogas e furto em lojas, tomou a decisão que mudaria sua vida na prisão. “Cheguei ao fundo do poço em 18 de julho de 2018, a última vez que usei drogas”, optando, então, pela reabilitação.

O verdadeiro progresso começou quando ela conheceu a comunidade de Alcoólicos Anônimos (sua porta de entrada inicial para a recuperação), que a ajudou a entrar no caminho da recuperação. Madison chama o processo diário da nova rotina de “trabalho de manutenção”, no qual se aprimora.

Ela contou que se reaproximou da família e que agora conta com todo o apoio de seus pais, irmã e amigos, enquanto tenta recuperar a custódia de sua filha.

“Foi uma sensação esclarecedora ver que eu era o problema e que nada mudaria até que eu mudasse. Hoje tenho uma paz interior e uma tranquilidade que não podem ser descritas em palavras”, explica.

Para outras pessoas que passaram pela mesma coisa, Madison as encoraja a perceber que existe uma maneira de encontrar um novo modo de vida.

Nesse sentido, enfatiza que “a vida é curta e está destinada a ser vivida” e não a ser aprisionada por “uma doença que te faz sentir vazio”.

“Continue lutando, essa nova forma de vida é linda. E lembre-se sempre de se mostrar grato, humilde e aberto a aceitar tudo que vier em seu caminho”, apela Madison a todos que sofrem com o uso de drogas e que possam estar lendo seu relato.

Fonte(s): Daily Mail Imagens: Reprodução / Facebook / Shutterstock

Jornal Ciência