Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Roacutan: o que você precisa saber antes de tomar este medicamento que “cura” a acne

de Merelyn Cerqueira 0

Vendida sob o nome comercial Roacutan, trata-se de um medicamento usado para o tratamento da acne e, mais recentemente, usado também em pequenas doses para o controle da oleosidade da pele.

Considerada a “melhor” opção para o problema até então, com chances de cura relatadas em 80% dos pacientes com acne, o medicamento também é utilizado em quimioterapia para certos tipos de câncer (como o neuroblastoma), o que significa que seu uso deve ser feito estritamente com acompanhamento de um médico especialista, já que os efeitos colaterais podem ser graves.  

Logo, é essencial conhecer um pouco mais sobre ele antes de considerar o tratamento. As informações são dos sites Nursing e Diário de Biologia.

A isotretinoína, que é o princípio ativo desse medicamento, age diretamente nas glândulas sebáceas, impedido ou reduzindo a produção de sebo.

Uma vez reduzidas em tamanho, elas diminuem também as chances do folículo pilosebáceo de ser entupido – o que em essência, junto com a presença de bactérias na pele, provocaria o crescimento de cravos e espinhas.

O problema é que, mesmo que impeça o crescimento da acne, a isotretinoína possui uma série de efeitos colaterais. Muitos pacientes não sentem nenhum efeito grave, mas trata-se de um medicamento que deve ser usado com cautela.

Todo mundo que tomar terá reações? Não. Isso porque a reação de qualquer fármaco dependerá sempre do organismo do paciente. Abaixo você encontra uma lista com vários efeitos colaterais mais comuns que podem acontecer. 

Reações adversas

– Olhos secos

Este é um dos primeiros sintomas colaterais do medicamento. Ocorre devido ao ressecamento severo provocado pela isotretinoína. Sendo assim, nunca deixe de usar lubrificantes oculares receitados pelo médico. O ressecamento ocular pode resultar em conjuntivite, opacidade das córneas e diminuição da capacidade de ver no escuro.

– Lábios ressecados

O ressecamento severo também pode afetar os lábios. Portanto, é sempre recomendado que as pessoas no tratamento façam uso de manteigas de cacau e hidratantes labiais. A falta de uso de hidratantes constantemente pode deixar os lábios tão ressecados que podem rachar e sangrar.

– Pele ressecada

Cerca de 100% dos pacientes experimentam ressecamento da pele logo no início do tratamento. Embora essa situação seja benéfica para evitar a acne, a pele seca é mais sensível, podendo rachar, descamar ou até mesmo sangrar com frequência – além de poder causar coceira.

–  Sangramento nasal

Também conhecido como epistaxe, o sangramento nasal ocorre de maneira menos comum, uma vez que nem todos os pacientes apresentaram esse sintoma. No entanto, quando ocorre, o ideal é utilizar solução salina, vaselina ou soro fisiológico para interromper o sangramento. Também, é essencial que o médico seja informado sobre esse efeito colateral.

– Fígado sobrecarregado

Se você está usando o medicamento, saiba que é importante manter os exames hepáticos em dia. O tratamento deve ser interrompido imediatamente se os níveis das enzimas do fígado apresentarem grandes alterações, o que evidencia que o órgão está sendo danificado. Geralmente, o médico pede exames constantes de fígado e rins para acompanhar como o corpo está reagindo. 

– Taxas de colesterol e triglicerídeos mais altas

Faça periodicamente todos os exames de sangue. O médico responsável pelo tratamento deve saber sobre todas as alterações apresentadas pelo organismo. Isso porque o aumento considerável das taxas de colesterol e triglicerídeos pode resultar em quadros de pancreatite, que é a inflamação do pâncreas.

– Reações alérgicas

Embora esse efeito colateral seja mais raro, é importante ficar atento ao aparecimento de coceiras e hematomas inexplicáveis na pele. Nesses casos é preciso interromper o tratamento.

– Dores de cabeça

A dor de cabeça moderada é normal durante o tratamento. Ela ocorre devido ao ressecamento dos olhos. Por isso, lembre-se de lubrificá-los com o colírio receitado pelo médico.

Fonte: Diário de Biologia Fotos: Reprodução / Diário de Biologia

Jornal Ciência