Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Jovem toma anticoncepcional para tratar acne e quase morre ao desenvolver coágulo

de Merelyn Cerqueira 0

Madison Brownley, de Bolton, na Inglaterra, de apenas 18 anos, afirmou quase ter morrido após iniciar um tratamento com pílulas contraceptivas prescritas para tratar acne.

A jovem teve uma reação grave ao medicamento que a deixou na UTI por quase duas semanas. Isso porque, ela acabou desenvolvendo um enorme coágulo na perna que estava viajando pelos vasos até o coração. Agora, ela terá de tomar uma medicação anticoagulante pelo resto de sua vida.

Os problemas de Bownley começaram dois meses depois de ter sido prescrita a medicação, quando ela começou a sofrer dores terríveis na parte inferior das costas e virilha. “Certo dia, eu acordei e entrei no chuveiro para tomar um banho. Estiquei um dos pés que estava doloroso e duro. Também encontrei dificuldades para dobrar o joelho. De repente, me senti fraca e percebi que minha perna direita estava inchada e vermelha, e os meus dedos estavam roxos”, contou ela em entrevista ao jornal The Tab.

anticoncepciona-forma-coagulos

Logo após o diagnóstico do coágulo na perna, os médicos verificaram que parte dele havia se rompido e estava viajando pelo abdômen em direção ao coração, o que teria sido fatal. Assim, imediatamente, lhe foram prescritos medicamentos à base de heparina e varfarina – indicadas para diluir o sangue e impedir a coagulação. Além disso, ela ainda teve que tomar medicamentos trombolíticos – que também quebram a formação de coágulos no sangue.

Um filtro foi inserido pelas veias até chegar no coração, para impedir que o coágulo chegasse ao órgão. No dia seguinte a esse procedimento, os médicos disseram que a massa da perna tinha sido diluída, mas o filtro colocado em sua veia foi completamente bloqueado por um novo coágulo.

anticoncepcional-forma-coagulos

Madison passou 17 dias em um hospital, próximo a região onde vive. Ela descobriu que a falta de Proteína C (autoprotrombina II-A), que desempenha um papel muito importante na regulação da coagulação do sangue, foi responsável pela sua experiência terrível.

A jovem agora precisa conviver com as sequelas deixadas, entre elas, salientes veias nas virilhas, abdômen, pernas e pés, que ficam mais evidentes quando ela se exercita. Além disso, Madison precisará tomar varfarina anticoagulantes pelo resto de sua vida.

[ Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / 

Jornal Ciência