Leonardo da Vinci teria descrito leis do atrito 200 anos antes delas serem estudadas

de Julia Moretto 0

Gênios da humanidade fizeram grandes descobertas, por esse motivo, todo material que foi usado como forma de estudo por esses astros deve ser levado em consideração. O caderno de anotações de Leonardo Da Vinci, que já foi considerado insignificante, mostrou em estudos recentes, que em 1493, o italiano já havia estudado sobre o atrito.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Segundo a história, somente em 1508, o pintor italiano relatou os primeiros estudos sobre o atrito. Ao estudar os rabiscos encontrados no caderno de 1493, o Professor da Universidade de Cambridge, Ian Hutchings, descobriu as primeiras análises feitas pelo gênio.

Leonardo-da-Vinci-e-as-Leis-do-Atrito_02

Hutchings descobriu, quase 100 anos depois, que os rabiscos estão acompanhados de figuras geométricas carregadas por um peso que paira sobre uma roldana. O curioso é que esse é o mesmo estudo utilizado para ensinar as forças do atrito. “O esboço e os textos mostram que Leonardo compreendeu os fundamentos da fricção em 1493”, conta o professor.

As leis de atrito foram descobertas pelo físico e inventor francês Guillaume Amontons, dois séculos depois dos primeiros rabiscos de Da Vinci. Mas segundo o pesquisador, o pintor interpretava que a força de atrito existente entre duas superfícies equivalia à prensagem das superfícies em contato.

Leonardo-da-Vinci-e-as-Leis-do-Atrito_01

Amontons ainda acredita que essas iniciais descobertas sobre as leis de atrito, ajudaram Da Vinci a pensar no funcionamento de máquinas criadas apenas 20 anos depois. O pintor e estudioso também analisou os conceitos de rodas, eixos e polias, provando ser um homem muito além de seu tempo.

[ Business Insider ] [ Fotos: Reprodução / Business Insider / Física Comentada ]

Jornal Ciência