Fotografias inéditas mostram lagos e rios que se formaram devido ao derretimento polar

de Gustavo Teixera 0

Essas imagens são ao mesmo tempo bonitas e desoladoras, pois capturam a mudança da calota polar do Ártico.

 

O fotógrafo britânico Timo Lieber tirou as fotos em julho de 2016, em pequenos aviões e helicópteros enquanto voava várias centenas de quilômetros sobre a Groenlândia.

3CBA168100000578-4180020-image-a-6_1485964434004

As fotos mostram um corpo cada vez maior de lagos e rios azuis sobre o gelo derretido, e visam a aproximar os espectadores da calamidade ambiental que está se desdobrando.

3CB96A1400000578-0-image-a-3_1485951251180

Lieber explica que o seu poderoso projeto “Thaw” mostra o crescente número de lagos e rios azuis que se formam na calota gelada da Groenlândia, uma das áreas mais inacessíveis da Terra.

3CB96A2400000578-0-image-a-6_1485951386919

Aqui, na paisagem intocada, despojada do mínimo de cores e formas, o impacto dramático da mudança climática é mais evidente do que em qualquer outro lugar do mundo“, disse Lieber.

3CB9693E00000578-0-image-a-8_1485951397591

Para fazer as imagens, ele se juntou a cientistas do Scott Polar Research Institute da Universidade de Cambridge, além de um cientista por trás da série “Frozen Planet” da emissora britânica BBC.

3CB9694C00000578-0-image-a-9_1485951405827

 

A camada de gelo da Groenlândia não é apenas um deserto árido e frígido no topo do globo, é também um vasto reservatório de água doce congelada. Nas duas últimas décadas, o reservatório da Groenlândia mudou com o seu clima, e agora está perdendo em média 3,8 bilhões de toneladas de gelo por ano.

3CBA15CD00000578-4180020-Mr_Lieber_s_mission_was_to_capture_the_sparse_landscape_in_excep-a-1_1486024041362

À medida que as temperaturas do Ártico continuam a subir, vastos lagos se formam em toda a sua superfície, drenando rapidamente através da camada de gelo, fazendo com que o gelo flua mais rápido em direção ao oceano, onde ele derrete.

3CBA17CD00000578-4180020-image-a-4_1485964422870

Tendo viajado para o Ártico muitas vezes e vendo a taxa de mudança lá, tive a ideia de criar esta nova série de fotos“, explicou Lieber. O projeto Thaw é mais do que apenas um projeto de fotografia – é uma colaboração entre ciência, natureza e nossa capacidade de discuti-la através de fotografias”, completou. A missão de Lieber era capturar a paisagem esparsa em detalhes excepcionalmente finos, o que ele fez usando uma câmera de 100 megapixels.

3CBA168100000578-4180020-image-a-6_1485964434004

Falando sobre a ciência por trás da série, o professor Julian Dowdeswell, diretor do Scott Polar Research Institute de Cambridge, disse: “As imagens de Timo ilustram as mudanças dramáticas que temos observado no Ártico durante o início do século XXI.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ] 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
error: Proibida a cópia sem autorização.