Estudo da Unicamp diz que o adoçante sucralose libera substâncias tóxicas em alimentos quentes

de Merelyn Cerqueira 0

Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), sugeriu que usar adoçantes à base de sucralose – um dos mais utilizados do mundo – em bebidas quentes pode ser prejudicial à saúde.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Através de experimentos, eles constataram que, quando aquecidas, as moléculas desse composto podem formar substâncias tóxicas.

A sucralose é um derivado do açúcar da cana e modificada em laboratórios através de processos químicos. Logo, no ensaio realizado por um grupo de pesquisadores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da universidade, descobriu-se que quando aquecido à uma temperatura de mais de 90°C, por mais de 15 minutos, pode ocorrer uma alteração química que afetará sua composição.

Entre as substâncias tóxicas relatadas por eles, estavam os HPAs, ou hidrocarbonetos policíclicos aromáticos, considerados potencialmente cancerígenos, e o ácido clorídrico, normalmente utilizado com reações química, podendo ser fatal quando inalado ou ingerido em quantidades razoáveis.

Dessa forma, na preparação de bolos e doces, a atenção com esse tipo de adoçante precisa ser dobrada. Isso porque, os fornos podem passar de 200°C, o que causaria a liberação das substâncias tóxicas. Contudo, a pesquisa concluiu que, quando ingerido com moderação e sem o aquecimento, a sucralose não faz mal à saúde.

A pesquisa foi publicada pela revista Scientific Report, e o próximo passo será realizar testes em animais.

[ Diário de Biologia ] [ Foto: Reprodução / Wikipédia ]

Jornal Ciência