O salmão que você consome pode estar envenenado com metais pesados

de Merelyn Cerqueira 0

Considerado um alimento versátil, já que pode ser apreciado de todas as formas – cru, cozido, assado, defumado, grelhado e etc. – o salmão é uma fonte suprema de diversos nutrientes, especialmente os que aumentam o desempenho do organismo. Contudo, essa gama de benefícios serve apenas para os salmões selvagens, e dificilmente estará presente nos originários de viveiros. 

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

De acordo com informações publicadas pelo portal Bulletproof, foram realizados diversos estudos, em várias partes do mundo, que sugerem que a maioria dos salmões encontrados no supermercado estão repletos de produtos que fazem mal à saúde humana. São antibióticos, estimulantes, dioxina e até mesmo mercúrio. Isso acontece porque nos criadouros eles estão suscetíveis a esse tipo de contaminação.

Nos últimos anos, os criadores até tentaram diminuir a contaminação por metais pesados – substituindo a ração convencional por novas, feitas à base de óleo de soja e vegetais e proteínas de milho. Mas, e em consequência disso, a qualidade da carne diminuiu. Assim, eles precisaram administrar antibióticos para mantê-los saudáveis, e que, obviamente, acabam parando no prato do consumidor.

O salmão selvagem, capturado em seu habitat natural, é capaz de oferecer ao nosso organismo diversos benefícios. E dependendo da sua procura específica por nutrientes, cada espécie pode fornecer benefícios diferentes. Por exemplo, o salmão-vermelho possui o maior nível de antioxidantes (como a astaxantina), colesterol (HDL) e vitamina D; graças a uma dieta incomum que faz com que ele se alimente exclusivamente de plânctons. Assim, além da carne mais avermelhada, ele também possui um sabor mais forte. Já o salmão-rei, por outro lado, possui duas vezes mais ômega-3 do que qualquer outra espécie, já que, por serem encontrados em águas profundas e frias, utilizam essa gordura para aquecer o corpo.

Jornal Ciência