Incrível: imagem na internet ajudou pai e refugiado sírio que vendia canetas a conseguir uma nova vida

de Merelyn Cerqueira 0

imagem-na internet-refugiados

A foto de um homem anônimo que vendia canetas pelas ruas de Beirute, no Líbano, enquanto segurava sua filha dormindo, comoveu muita gente na internet.

 

A imagem, publicada no Twitter por Gissur Simonarson, um ativista de Oslo, na Noruega, chamou atenção de todo o mundo sob a hashtag “#BuyPens”, que pediu ajuda à internet para encontrá-lo.

imagem-na internet-refugiados_1

É uma imagem terrivelmente emocionante“, disse Simonarson à CNN. “Você vê o olhar em seu rosto e como ele segura as canetas, como se elas fossem tudo o que o que tem no mundo“.

Embora Simonarson não tivesse sido o autor da foto, sua postagem teve um alcance impressionante, com pessoas em todo mundo se mobilizando para ajudá-lo a encontrar o homem, um refugiado sírio.

imagem-na internet-refugiados_2

Então, depois de dois dias de busca e muita ajuda, Simonarson localizou o homem, que foi identificado como Abdul, de 35 anos, de Yarmouk, um dos lugares mais sitiados da Síria. “Finalmente o encontramos. Deu muito trabalho, mas valeu a pena! Agora, vamos ajudá-los!”, escreveu o ativista no Twitter acrescentando um link para uma página de financiamento coletivo (crowdfunding).

Abdul, que é pai de dois filhos, ficou comovido ao descobrir que tinha sido alvo de uma busca internacional. Sua filha, Reem, que é vista dormindo na fotografia, tinha apenas quatro anos e ficou animada ao encontrar o grupo de ativistas.

imagem-na internet-refugiados_3

Reem veio até mim, me abraçou e pediu para tirar uma selfie. Ela é uma criança encantadora e animada. Uma casa modesta cheia de amor. #BuyPens”, escreveu no Twitter uma das ativistas Carol Malouf Khattab.

 

A meta dos ativistas era conseguir pelo menos R$16 mil em crowdfunding para ajudar a família de Abdul. No entanto, surpreendentemente, em apenas 24 horas, cerca de 3.000 pessoas já haviam doado mais de R$ 250 mil.

 

Eu acho que esta campanha prova que a humanidade ainda não está perdida”, escreveu Simonarson aos seguidores anunciando o resultado das doações. “Quando ele (Abdul) ouviu o valor, desabou a chorar”, disse Simonarson. “Ele estava tão agradecido e disse que sempre seria grato por toda generosidade“.

Abdul disse que com o dinheiro poderia finalmente enviar os dois filhos a escola. O homem, que antes da guerra civil na Síria estourar havia trabalhado em uma fábrica de chocolates, disse ainda que ajudaria outros refugiados com o dinheiro doado.

 

A história de sucesso de Abdul emerge em meio a guerra civil que já deixou pelo menos 220 mil pessoas mortas e grande parte do país dizimado. Ele é um dos mais de 4 milhões de refugiados registrados que atualmente lutam para sobreviver em países como Turquia, Jordânia e Líbano.

[ CNN ] [ Fotos: Reprodução / CNN ]