Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

TOP 4 doenças que eram confundidas com bruxaria

de Gustavo Teixera 0

Quando as autoridades ao longo da história chamavam as pessoas de bruxas e as condenavam a fogueira, muitas vezes pensavam que estavam realizando sua própria versão de defesa contra as artes das trevas.

Sem o tipo de conhecimento médico avançado que se tem hoje, as pessoas às vezes atribuíam fenômenos médicos inexplicáveis à obra de bruxaria ou demônios. É uma ideia que tem origem logo no início da civilização. 

Lois N. Magner, especialista em história da ciência médica, escreveu no livro “A História das Doenças Infecciosas e do Mundo Microbiano” que acreditar que forças sobrenaturais causam doenças “era essencialmente universal nas sociedades pré-históricas e nas notáveis ​​civilizações que se desenvolveram no período.

Por exemplo, mitos e lendas hindus retratam um complexo panteão de deuses e uma vasta gama de demônios capazes de causar doenças e pestilências”.

Mas algumas doenças específicas estavam mais frequentemente ligadas à bruxaria e às forças das trevas do que outras. Confira agora 4 doenças que foram confundidas com bruxaria:

Epilepsia

A condição neurológica que provoca convulsões por perturbação da atividade elétrica do cérebro aflige até 65 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com a Fundação Epilepsia, com cerca de 3 milhões nos Estados Unidos. 

Durante uma convulsão, uma pessoa pode ficar confusa ou desmaiar e, em seguida, ficar inconsciente e ter convulsões.

Essa aparência de uma pessoa perdendo o controle de seu próprio corpo poderia ser por que desinformados poderiam ter ficado com medo o suficiente para acusar os sofredores dessa condição de feitiçaria.

A Fundação Epilepsia cita um texto religioso de 1400 chamado The Malleus Maleficarum que diz que “não há enfermidade corporal, nem mesmo lepra ou epilepsia, que não possa ser causada por bruxas… muitas vezes constatamos que certas pessoas foram visitadas com a epilepsia caindo por meio de ovos que foram enterrados com cadáveres, especialmente os cadáveres de bruxas, juntamente com outras cerimônias de que não podemos falar, particularmente quando esses ovos foram dados a uma pessoa.”

“Embora muitos médicos acreditassem no contrário durante a época dos ensaios da Bruxa de Salem, que viu centenas de milhares de mulheres assassinadas com base na feitiçaria, o público em geral provavelmente viu bruxas e demônios como tendo um papel maior na epilepsia,” disse a fundação.

Doença mental

As doenças mentais, como esquizofrenia, foram demonizadas e incompreendidas. Os doentes mentais eram “exorcizados” dos espíritos malignos que os possuíam e, de acordo com uma perspectiva publicada nos Institutos Nacionais de Saúde, “um grande número de bruxas e pessoas possuídas que foram queimadas provavelmente tinham distúrbios mentais visíveis”.

Tragicamente, algumas culturas em todo o mundo ainda acreditam que bruxas estão por trás de doenças mentais.

O jornal britânico The Guardian relata que na Guiana, que tem uma alta taxa de suicídio, os sintomas de doença mental são “muitas vezes atribuídos erroneamente à feitiçaria […] Comunidades muitas vezes excluem os sofredores e, ocasionalmente, os agridem fisicamente, com o aval dos líderes religiosos”.

Envenenamento por Ergot

Quando as pessoas comem alimentos contaminados com o fungo ergot, podem começar a mostrar sintomas que imitam os da epilepsia ou uma doença mental, como “espasmos musculares violentos, vômitos, delírios, alucinações, sensações rastejando na pele e uma série de outros sintomas – todos os quais… estão presentes nos registros dos ensaios de feitiçaria de Salem”, disse a PBS.

E o epicentro da conversa de feitiçaria de Massachusetts ocorreu em um lugar em Salem onde a colheita de centeio foi provavelmente infectada com o fungo do qual o alucinógeno LSD é derivado.

Encefalite letárgica

Alguns acreditam que esta era outra condição pouco entendida que levou pessoas à fogueira. A doença com causa desconhecida traz grave inflamação no cérebro e vem com “febre alta, dor de cabeça, visão dupla, atraso de resposta física, mental e letargia”, disse o Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos.

Pode até levar a um coma e “os pacientes também podem ter movimentos oculares anormais, fraqueza superior do corpo, dores musculares, tremores, rigidez do pescoço e mudanças comportamentais, incluindo psicose”.

É uma condição rara, mas pode ser assustadora. A rede britânica BBC cita uma médica chamada Stavia Blunt que descreveu um caso que no início de 1990: “Fiquei chocada com sua aparência, atordoada. Ela tinha esses movimentos de garras muito estranhos de seus braços. Foi estranho.

FonteMedical Daily Fotos: Reprodução / Medical Daily

Jornal Ciência