Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Mulher com alergia à água sofre erupções cutâneas dolorosas ao suar, chorar ou tomar banho

de Merelyn Cerqueira 0

Candice Dent, 35 anos, de Kentucky, EUA, sofre de uma condição chamada Urticária Aquagênica – basicamente, um tipo raro de alergia à água.

Há 20 anos lutando contra a doença, ela só foi diagnosticada recentemente. Quando em contato com água, no banho, na chuva, com lágrimas ou até mesmo enquanto lava a louça, um surto de erupções cutâneas dolorosas toma o seu corpo. Como também tem Dermografismo, sua pele incha quando coçada. Segundo ela, nenhum medicamento se mostrou suficiente para combater os sintomas, e por isso, quando os surtos ocorrem só lhe resta esperar passar.

mulher-com-alergia-a-agua_02

De acordo com informações do jornal inglês Daily Mail, ela também não pode utilizar certas roupas e dormir em certos tipos de tecidos, ou irá desencadear equimoses em sua pele. Dent foi diagnosticada com Urticária Aquagênica em fevereiro deste ano, após ter passado quase duas décadas lutando contra os sintomas. No início, os médicos lhe disseram se tratar de uma alergia ao cloro, e instruíram-na a tomar banho toda vez que saísse de uma piscina. No entanto, a recomendação não fez diferença, porque, tempos depois, ela notou que a alergia voltava mesmo após banhos de chuva.

Após documentar tudo o que provocava as erupções, ela voltou ao médico, que lhe disse: “Parece que você é alérgica a água, mas isso seria loucura”.  Segunda ela, à época, a condição sequer era conhecida, e por isso somente agora pôde ser diagnosticada.

mulher-com-alergia-a-agua_03

Até recentemente, Dent, que é mãe de três filhos, trabalhava como professora na pré-escola. Ela contou que chegou a dar aulas enquanto estava sob os efeitos dos sintomas. Em uma ocasião, uma criança chorou em seus braços e as lágrimas desencadearam a coceira dolorosa. Ao longo dos anos ela se acostumou com os surtos e tomou-os como parte de sua vida diária. “A maioria das pessoas não acredita em mim e zomba: se você é alérgica a água, como ainda está viva?”, contou. “Trata-se de uma alergia de pele, e não alimentar. Então eu ainda posso beber – embora a água potável faça minha garganta queimar”.

As pessoas também perguntam como eu tomo banho, e eu sempre digo que a menos que tenham uma maneira muito estranha de fazê-lo, da mesma forma que eles. A única diferença é que eu fico com urticária depois, mas nem por isso deixo de me lavar” disse. Segundo ela, os anti-histamínicos não são eficazes, e tudo o que ela pode fazer é esperar que a coceira desapareça. Como seu rosto é menos afetado, ainda pode ser beijada pelo marido.

mulher-com-alergia-a-agua_04

No momento, ela está pesquisando na internet outras pessoas que estejam lutando contra a mesma condição. “Eu não posso ser a única”, disse. “Acho que a condição é tão rara que não estamos propensos a ver melhorias ou opções de tratamento, mas eu estou bem com isso. Existem pessoas lidando com coisa pior. Meu pai, por exemplo, sofreu muito antes de morrer de Câncer. Meu caso é apenas uma coceira”.

Urticária Aquagênica

Trata-se de uma condição rara em que urticárias se desenvolvem rapidamente na pele após o contato com a água, independente da temperatura. É mais comum em mulheres e os sintomas geralmente começam no início da puberdade. Sua causa subjacente ainda é desconhecida e devido à raridade, bem como limitação de dados, tratamentos são ineficazes. No entanto, vários medicamentos têm sido usados com taxas de sucesso variáveis.

Dermografismo

Neste caso, trata-se de um tipo de urticária que causa uma pequena marca vermelha na região coçada. Tem este nome porque os condicionados à doença são capazes de “escrever na pele”. Assim, quando pressionada com objetos pontudos é possível notar o surgimento de uma lesão. Acredita-se que ela seja causada quando as células sob a superfície da pele liberam histaminas enquanto são pressionadas.

Os histamínicos, por sua vez, são substâncias químicas liberadas pelo corpo como parte de uma reação alérgica, o que, neste caso, causa o inchaço da pele. A coceira provocada pode ser intensificada pelo calor, mas geralmente dura menos de uma hora.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ] 

Jornal Ciência