CEO da Netflix revela que o futuro da TV poderia ser uma droga alucinógena como em ‘Matrix’

de Merelyn Cerqueira 0

Em uma conferência do Wall Street Journal realizada nesta última terça-feira (25), Reed Hastings, CEO da Netflix, afirmou que em 20 ou 50 anos, os usuários poderiam tomar uma pílula com efeitos alucinógenos como entretenimento.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Ele sugeriu também a existência de uma versão de retorno, que os traria de volta à realidade – semelhante ao caso pílula azul ou vermelha visto no primeiro filme da saga “Matrix”. Além da realidade virtual proposta, os jogos poderiam representar uma concorrência para o serviço de streaming, conforme informado pelo jornal Daily Mail.

Na conferência, Hastings explicou que a empresa está trabalhando duro para tirar a atenção dos usuários dos aplicativos, mídias sociais e outros principais concorrentes. Disponível em 130 países, ainda não ficou claro para a marca qual rival emergirá nos próximos anos como concorrência direta.

Seria a realidade virtual, jogos, fármacos?”, questionou ele. “Em 20 ou 50 anos, as pessoas poderão tomar pílulas azuis personalizadas para ter alucinações de uma maneira divertida, em seguida, um comprimido branco as traria de volta à normalidade. É perfeitamente viável”.

Contudo, ele considera que se este for realmente o caso, estaremos em apuros. Durante a discussão ele explicou que a missão fundamental da empresa é “eliminar a solidão e o tédio através do entretenimento”.

Os conteúdos originais, como “Stranger Things” e “Luke Cage’, por exemplo, poderiam abrir o caminho para o futuro na Netflix. “Nós vamos evoluir superando o enclave de Hollywood, e revelando grandes criadores”, disse Hastings.

alucinogeno-matrix_01

O futuro da TV

Tem havido uma série de mudanças na televisão tradicional, com as emissoras tentando procurar maneiras de se adaptar à nova realidade. Segundo Susan Wojcicki, presidente executiva do YouTube, o número de telespectadores com idades entre 18 e 24 caiu 40% nos últimos cinco anos. “Vivemos em um momento realmente incrível”, disse.

Segundo ela, a distribuição de vídeo está tão amplamente disponível que muitas pessoas passaram a criar conteúdo. “Nosso objetivo é ser uma plataforma para as próximas gerações de plataformas”. Embora os vídeos do site sejam majoritariamente gratuitos, os usuários estão investindo cada vez mais para criar conteúdo de qualidade.

Além disso, empresas como a Netflix e a Amazon Prime estão investindo bilhões na produção de conteúdos originais para os serviços de streaming que oferecem, o que poderia representar uma ameaça ainda maior para a televisão.

Mas será que tudo isso é benéfico para nossa saúde?

De acordo com a psicóloga Dr.ª Sarah Gomilliom, da Universidade de Aberdeen, na Escócia, há muito que os seres humanos têm criado e compartilhado experiências sociais através de narrativas. Logo, a mídia contemporânea beneficia as pessoas ao proporcionar um mundo social rico e psicologicamente significativo.

No entanto, ela adverte para a necessidade de maiores investigações sobre o assunto, uma vez que assistir TV e jogar em excesso também podem fazer mal para saúde, deixando as pessoas muito isoladas do mundo real.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / 

Jornal Ciência