Jornal Ciência

Conhecimento é tudo.

You are here Saúde Mente Lançamento de livro pode abalar a Odontologia: Fio dental simplesmente não funciona!

Adicionem o Jornal Ciência no Google + :)

Lançamento de livro pode abalar a Odontologia: Fio dental simplesmente não funciona!

Toda visita ao dentista costuma incluir um conselho meio milenar: “não se esqueça de usar o fio dental”.

Os profissionais sempre lembram a importância de usá-lo diariamente; alguns até dizem que ele previne problemas no coração.

Mas um novo livro veio para mostrar que aqueles que lutam com o fio dental todos os dias podem estar apenas perdendo tempo. O nome da obra é provocativo: Kiss Your Dentist Goodbye (Dê Adeus ao Seu Dentista, em tradução livre). Foi escrita pela Dra. Ellie Phillips, uma das primeiras mulheres dentistas a lecionar no Hospital de Guy, em Londres.

Ela afirma que fio dental, independentemente do tipo e da marca, não contribui em nada para a redução do risco de cáries. E para apoiar sua teoria, ela usa nade menos do que a ciência. Só um estudo científico mostrou vantagens no uso do fio dental, e ele foi conduzido em um grupo de crianças em idade escolar que não usaram o fio dental sozinhas, mas foram assessoradas por um higienista cinco dias por semana por dois anos.

Isso significa que a Dra. Ellie tem razão, certo? Mais ou menos. Ela está correta, mas só até certo ponto. É o que afirma ao jornal Daily Mail o Dr. Graham Barnby, dentista de Marlow, Inglaterra, que também é membro do Simply Health Advisory Research Panel, responsável por fazer análises das mais recentes pesquisas e pensamento médico: “Não há evidência de que usar o fio dental seja eficaz para prevenir cáries a longo prazo. Então, de certo modo, ela está certa. Mas, mesmo que os benefícios do uso do fio dental sejam limitados para a cárie, ele tem um papel na prevenção de doenças gengivais”.

A cárie ocorre quando o ácido produzido por bactérias em nossas bocas durante a sua “digestão” do açúcar corrói os dentes – por isso o açúcar é tão perigoso se estiver presente em dentes não escovados. Já as doenças gengivais são causadas pela placa bacteriana, uma película de bactérias que, se não forem removidas com a escovação, irritam as gengivas, fazendo com que elas sangrem e se retraiam. A placa não tratada vira tártaro, que afeta os ossos por baixo da gengiva, e, em casos mais graves, resulta em dentes moles.

Christina Chatfield, uma higienista dental independente de Brington, indicada como a higienista do ano, defende o uso do fio dental para casos de cáries e doenças gengivais, e afirma que os estudos deram poucos resultados porque os participantes não usaram o fio dental do jeito certo:

A maioria dos que usam o fio dental (que acredito serem cerca de 5% da população) não o fazem de maneira eficaz, então os benefícios são mínimos para eles. Para remover a placa bacteriana, você precisa colocar o fio dental em volta de seu dente na forma de uma letra “C”, para que ele remova a placa dos lugares entre os pontos de contato dos dentes. Eu comparo o mau uso do fio dental a tentar limpar o gargalo de uma garrafa com uma corda flutuando no meio – o que, de fato, é o que a maioria faz”.

O Dr. Nigle Carter, chefe executivo da Fundação Britânica de Saúde Dentária, reverbera as afirmações de Christina: “Nós certamente não deveríamos estar estimulando as pessoas a não fazer isso. Se você não limpar entre os seus dentes, você estará limpando apenas 60% da superfície do dente. Muitos dentistas recomendam escovas interdentais – escovas pequenas que podem chegar logo abaixo da gengiva. São muito mais fáceis de serem usadas, e alcançam as curvas dos dentes, então é mais fácil limpar cada lado do dente”.

Contudo, a Dra. Ellie argumenta que mais do que usar fios dentais e escovas, o essencial é fazer três bochechos: um antes da escovação, e dois após. A comida deixa os dentes mais frágeis, e a escovação desgasta os dentes por isso. Logo, um bochecho antes da escovação com um enxaguante como Ultradex é recomendável, segundo ela, para que isso não aconteça. Ele contém dióxido de cloro, que ajuda a remover as bactérias, segundo estudos. Depois da escovação, ela recomenda um bochecho com Listerine, para otimizar a limpeza, e um enxaguante como Fluorigard para fortalecer e reparar os dentes. Para finalizar, é recomendável mascar chicletes com xilitol, um adoçante que reduz o risco de cáries.

Será que o método da Dra. Ellie funciona? Não de acordo com a Christina. “As bactérias em volta dos dentes que causam doenças gengivais são muito difíceis de serem retiradas – elas não respondem nem a antibióticos. A ideia de que essas bactérias possam ser removidas apenas com bochechos é ridícula. A única opção é removê-las fisicamente, e até com o uso mais completo do fio dental, algumas são deixadas”.

O xilitol mencionado acima é um adoçante natural encontrado na casca dos vidoeiros brancos e nas fibras de muitas bagas, frutas e cogumelos. Ele age minando a produção de bactérias perigosas para a boca. O Dr. Nigle defende o uso de produtos com xilitol, pois “há claros benefícios para a saúde dental com xilitol, logo, produtos que o contenham podem ajudar a lutar contra as cáries”, diz ele.

Estudos não faltam para dar suporte à defesa do uso do xilitol. Um deles envolveu 80 adultos que, por três semanas, mascaram chicletes de xilitol três vezes ao dia após as refeições. Revelou-se que o chiclete diminuiu drasticamente o número de bactérias.

Na Escandinávia, onde os vidoeiros brancos são abundantes, as pastilhas de xilitol são muito populares. No Reino Unido, ele costuma ser usado como aditivo em chicletes e doces sem açúcar, mas eles contêm bem menos xilitol e podem ser diluídos por outros adoçantes. Na Espanha, 70% dos doces não têm açúcar – é um dos vários países europeus que substituem o açúcar pelo xilitol. No Reino Unido, a porcentagem é de 30%.

As pastilhas têm cerca de 100% de xilitol, mas os chicletes só têm 30%”, diz Nigle. “Muitos dentistas agora reconhecem os benefícios do xilitol, eles recomendam que seus pacientes o usem. No Reino Unido, nós somos resistentes a doces sem açúcar. Nós gostamos dos doces de verdade”.

A dose diária recomendada para xilitol é de 5g. Consumir a substância regularmente pode causar flatulência e diarreia, mas o Dr. Nigle afirma que esses efeitos são temporários. O professor Stephen Porter, diretor do Instituto Dental Eastman em Londres, adverte para o uso indiscriminado das pastilhas de xilitol. “Elas não são apropriadas para crianças ou idosos, pois podem ter um efeito laxante e causar transtornos estomacais”.

O que fazer para manter uma boca saudável, então? Stephen recomenda as medidas simples que a maioria dos profissionais apoia: “Evitar lanches doces entre as refeições, pois o açúcar causa mais ácido que ataca os dentes, e você precisa limitar o tempo em que isso acontece. Você também precisa escovar seus dentes e usar o fio dental de modo completo para remover as placas bacterianas, e usar creme dental com flúor para ajudar a fortalecer os dentes. Você não precisa de equipamentos sofisticados – só o fio dental e uma escova serão suficientes. Acima de tudo, as pessoas precisam lembrar que usar o fio dental não irá machucá-las de forma alguma, e na verdade irá mais provavelmente trazer muitos benefícios”.

>>>Espalhe esta matéria para seus amigos no facebook, twitter ou orkut!

Fonte: DailyMail Foto: Reprodução / keepufits.com / marombapura.blog.br

Mistério

Fashion

A busca da humanidade por extraterrestres.

O início dos mistérios ufológicos.

Especial

Fashion

Terrível caracol é o

animal mais venenoso

do mundo

Dossiê

Sport

Conheça o animal mais

resistente do mundo,

o Tardígrado!