Jornal Ciência

Conhecimento é tudo.

You are here Saúde Mente Você conhece este inseto? Não? Deveria! Você o come todos os dias e nem sabia

Adicionem o Jornal Ciência no Google + :)

Você conhece este inseto? Não? Deveria! Você o come todos os dias e nem sabia

Pragas do jardim não são normalmente consideradas belas, mas se você olhar de perto uma cochonilha, ela conseguirá chamar sua atenção.

Não só pela cor branca pura destas pragas, mas também por seus tentáculos graciosos, que em algumas espécies se parecem com os pistilos de uma flor. Estes filamentos delgados variam muito de uma cochonilha para outra, e pode fazer os insetos lembrarem algum aspecto de um cachorro poodle de pelo curto ou uma bola de penugem.

Este revestimento felpudo de cera é o que diferencia as cochonilhas (Dactylopius coccus) umas das outras, que normalmente possuem rígidos escudos exteriores. No entanto, a casca dura e o revestimento de cera encontrados em várias escalas têm a mesma finalidade, atuarem na proteção. O pó das fibras macias das cochonilhas repele a água, tornando-os difíceis de matar com spray de pesticidas, e permite-lhes flutuar, o que é uma das maneiras pelas quais elas podem se espalhar para outras plantas.

Originárias do México medem de 2 a 5 milímetros de comprimento, são geralmente de cor marrom ou amarela, e se alimentam parasitando a seiva de cactos e plantas, bem como da umidade ali presente. Dentro da classe dos insetos, as cochonilhas são agrupadas na ordem Hemíptera, sendo parentes próximos das cigarrinhas, cigarras e dos pulgões. São conhecidas mais de 67.500 espécies de Hemípteras.

Para defender-se dos predadores, que são em geral outros insetos, produzem ácido carmínico, que extraído de seu corpo e ovos é utilizado para fazer o corante alimentício que leva seu nome.

O corante de cor vermelho-escuro é utilizado em larga escala pela indústria cosmética e alimentícia, emprestando sua cor a biscoitos, geleias, sobremesas, sendo também utilizado em medicamentos e roupas, normalmente especificado como "corante natural carmim de cochonilha".

Organizações de defesa dos direitos dos animais e pessoas adeptas do veganismo (uma filosofia de vida motivada por convicções éticas com base nos direitos animais, que procura evitar exploração ou abuso dos mesmos) criticam a prática de obtenção do corante a partir do inseto cochonilha. Tais grupos alegam que é antiético, cruel e fútil o fato de matar milhões de insetos para tal finalidade — é necessário matar cerca de 70.000 cochonilhas para se conseguir ½ kg de corante. Veganos, frequentemente realizam campanhas para divulgar o processo de fabricação do corante carmim de cochonilha, além de promover o boicote aos produtos que o contêm.

As cochonilhas fêmeas têm bicos pequenos, chamados de estiletes, que inserem nas partes suculentas de uma planta para sugar a seiva. Como a seiva é a água açucarada que a maioria das cochonilhas não consegue digerir, ela passa através de seu corpo, através do “xixi”.

Estes excrementos açucarados são chamados de ‘melado’ e as formigas adoram. Elas amam tanto que às vezes cuidam das cochonilhas como se fossem muito valiosas, limpando-as e protegendo-as, levando o inseto, mesmo na fase adulta, para todos os lados. Você provavelmente já ouviu falar desse tipo de relação entre formigas e afídeos, onde as formigas, por vezes, fazem pequenos celeiros com plantas mastigadas pelos pulgões e levam suas cargas para debaixo delas durante o inverno frio. A razão para as relações é a mesma: ambas as cochonilhas e pulgões produzem melado.

Outro resultado menos agradável do melado das cochonilhas é o bolor negro. O “xixi” adocicado desses insetos oferece as condições perfeitas para este tipo de fungo crescer. No entanto, enquanto as condições podem ser perfeitas para o desenvolvimento fúngico, sua presença provoca malefícios às plantas. O bolor negro não só cobre as folhas, como as fazem parecer sarnentas e sem atrativos, tornando difícil a fotossíntese. Uma infestação de cochonilhas é prejudicial para a saúde das plantas e pode se espalhar-se rapidamente.

Se você tiver cochonilhas em suas plantas, você provavelmente vai ter que escolher entre essas pequenas estranhas criaturas e o bem-estar da sua planta.

O mais curioso desse inseto é que ele está presente em um grande número de produtos alimentícios e a grande massa da população nem imagina. Aquele doce avermelhado ou rosa, seu iogurte e a bolacha recheada de morango do seu filho, além de sucos e bebidas são produzidos em sua grande maioria com o carmim de cochonilha, por ser barato e resultar em um aspecto visual muito estético.

O que isso significa? Na prática, você consome indiretamente insetos em suas guloseimas industriais favoritas desde criança e nunca soube disso. Bem, até agora.

Famosas marcas de cosméticos usam o título “livre de corantes artificiais”, mas utilizam o carmim de cochonilha para colorir batons, perfumes, sabonetes e uma infinidade de produtos.

Se você tiver curiosidade, procure pela designação C.I 75470 ou E120 na composição de seu alimento industrializado ou cosmético. Para não “queimar o filme” algumas empresas utilizam estes códigos para despistar o grande público.

>>>Espalhe esta matéria para seus amigos no facebook, twitter ou orkut!

Fonte: EnvironmentalGraffiti Foto: Reprodução/ EnvironmentalGraffiti/puuikibeach/Jeff McArthur/Sam Fraser-Smith e uniquelanzarotevillas

Mistério

Fashion

A busca da humanidade por extraterrestres.

O início dos mistérios ufológicos.

Especial

Fashion

Terrível caracol é o

animal mais venenoso

do mundo

Dossiê

Sport

Conheça o animal mais

resistente do mundo,

o Tardígrado!