Jornal Ciência

Conhecimento é tudo.

You are here Meio Ambiente Animais Conheça a enguia africana de água doce

Adicionem o Jornal Ciência no Google + :)

Conheça a enguia africana de água doce

Espécie Apectoralis Mastacembelus possui aparência pálida e sistema de nadadeiras incompleto.

A espécie de peixe ósseo apresenta desenvolvimento diferente dos demais animais de sua categoria. A enguia apectoral tem coloração atípica e no curso de sua evolução as nadadeiras peitorais foram diminuindo, chegando mesmo a desaparecer. Esta espécie é encontrada em abundância no Lago Tanganica, no leste da África, e foi descoberta por um grupo de cientistas britânicos e sul africanos.

As nadadeiras peitorais apresentam funções relacionadas ao auxílio na locomoção e na manutenção do equilíbrio. Mas nesta espécie de enguia de água doce este órgão foi perdendo sua função. Estes vertebrados habitam as rochas localizadas ao longo do leito do lago e ausência das nadadeiras peitorais permite que eles se posicionem melhor e possam ocupar pequenos e espaços e fendas, que podem abrigar fontes de alimento ou protegê-los de predadores. O desaparecimento destas estruturas se configurou como uma vantagem evolutiva para as enguias.

Atualmente existem aproximadamente de 15 espécies de enguias habitando o Lago Tanganica, cada uma delas com suas peculiaridades. O ancestral em comum a estas espécies provavelmente viveu no período de formação do lago há 7000 anos atrás. Fatores como estes tornam as enguias de água doce um ótimo exemplo de irradiação adaptativa – quando um único ancestral dá origem a várias espécies. 

>>>Espalhe esta matéria para seus amigos no facebook, twitter ou orkut!

Foto: Reprodução/Phil Crabb, Museu de História Natural/Newscientist

Receba notícias do Jornal Ciência no seu e-mail.

Digite aqui seu e-mail

Mistério

Fashion

A busca da humanidade por extraterrestres.

O início dos mistérios ufológicos.

Especial

Fashion

Terrível caracol é o

animal mais venenoso

do mundo

Dossiê

Sport

Conheça o animal mais

resistente do mundo,

o Tardígrado!