Virologista revela a verdadeira validade do travesseiro: 10% do peso são ácaros e cocô após 2 anos

Outras pesquisas dizem que o cenário pode ser ainda pior, com 1/3 do peso sendo de ácaros e suas fezes em 2 anos

de Redação Jornal Ciência 0

Em um post no Twitter, a professora de virologia da University of Surrey, Dra. Lindsay Broadbent, resolveu comentar o quão “nojento” pode ser um travesseiro.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Em resposta a um tuíte feito pela especialista em genoma de vírus, Dr. CJ Houldcroft, que comentou com seus seguidores se deveria falar qual o prazo de validade de um travesseiro e quando deveríamos trocá-lo, a Dra. Lindsay resolveu responder.

“Ah! Eu adoro enojar as pessoas dizendo a elas que, se o travesseiro delas tiver mais de 2 anos, 10% do peso dele são ácaros e o cocô deles”, afirmou a especialista. Para ela, uma pessoa não deveria ultrapassar o tempo de uso em 2 anos, e outros cientistas concordam. 

O médico indiano, Dr. Karan Raj, um dos mais famosos do mundo com mais de 284 milhões de curtidas no TikTok, já havia feito um vídeo alertando seus seguidores: “Você deve trocar seu travesseiro, pelo menos, a cada dois anos”.

A ciência já sabe que, de fato, o travesseiro pode ser um dos acessórios mais nojentos que temos na cama. E, não adianta pensar que trocar a fronha com regularidade irá mudar os dados apresentados.  

“Uma pessoa média perde 4 kg de pele todos os anos. A maior parte acaba em sua cama ou travesseiro”, ressaltou o Dr. Raj, que lembra que ácaros se alimentam justamente da descamação da pele humana.

Parece exagero, mas não é. Toda esta quantidade de pele morta que uma pessoa libera, serve de farto alimento para os ácaros. Estes animais microscópicos podem defecar até 20 vezes por dia!

Milhares de ácaros vivem em nosso travesseiro, comendo o resto de pele humana e defecando sem parar. Pensando assim, fica fácil imaginar o quão nojento pode ser o local onde repousamos nossa cabeça à noite.

Ficou assustado? Tem mais! O Dr. Karan Raj comentou ainda que as “manchas” que aparecem no travesseiro são nosso suor e oleosidade expelidos pelo nosso corpo, que também contribuem para proliferar ácaros, bactérias e fungos.

Algumas pesquisas sugerem números ainda piores: estudos anteriores estimam que, após 2 anos, 1/3 do peso de um travesseiro é formado por ácaros e suas fezes. Então, fique atento com o tempo de uso e tente dormir “em paz” esta noite.

Fonte(s): LADBIBLE Imagens: Reprodução / LADBIBLE

Jornal Ciência