Terra Plana: 7 teorias absurdas que os terraplanistas acreditam “provar” e os motivos de estarem errados

de Redação Jornal Ciência 0

Por que alguém acreditaria que a Terra é plana? Embora ainda não tenhamos uma resposta para essa questão, é fato que o movimento Terra Plana, mediado pelos chamados “terraplanistas” tem testemunhado uma ascensão meteórica em popularidade nos últimos anos. Existem grupos e páginas com milhões de seguidores e debatedores que realmente acreditam.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Há uma série de blogs e milhares de horas de vídeos no YouTube falando sobre o tema. Sendo assim, para tentar responder à questão, reunimos alguns dos argumentos que esse pequeno número de terráqueos acredita justificar ou provar que a Terra é plana. Os tópicos foram explicados mostrando o motivo de cada crença citada estar totalmente errada. Confira!

1 – A linha do horizonte não é curva

São muitos os terraplanistas que apresentam essa ideia como a principal evidência. O cantor e rapper B.o.B, por exemplo, é um dos que regularmente cita a planura do horizonte a fim de plantar dúvidas na cabeça de seus seguidores.

Em uma publicação excluída feita no Twitter do músico, ele postou uma foto de si mesmo em uma colina com vista para uma região de cidade com a seguinte legenda: “As cidades ao fundo estão a aproximadamente a 16 milhas de distância. Onde está a curva? Explique isso”. De fato, B.o.B até tem uma música chamada “Flatline”, em que canta sobre o assunto.

Entretanto, essa ideia parece ignorar completamente o fato de que a Terra tem um diâmetro médio de 12.742 quilômetros. Em outras palavras, ela é muito grande. Para efeito de comparação, imagine uma formiga sentada em uma bola com 1.000 metros de diâmetro — ela também não conseguiria ver a curvatura da bola.

Em teoria, devemos ser capazes de ver uma ligeira curva no horizonte de um avião que esteja a mais de 10.600 metros (35.000 pés). No entanto, seria necessário um campo de visão bastante amplo (não a pequena janela de um avião).

Felizmente, existem outras maneiras de detectar tal curvatura sem a ajuda da NASA, da ESA ou de qualquer agência espacial governamental. Estudantes de física da Universidade de Leicester, no Reino Unido, por exemplo, registram por meio de um balão meteorológico algumas imagens impressionantes na estratosfera que mostram a curvatura da Terra.

2 – Ninguém nunca cruzou o muro da Antártida

O teórico “muro da Antártida”.

Alguns terraplanistas afirmam que a Antártida é uma gigantesca muralha de gelo projetada para impedir os seres humanos de cair para fora do mundo (em forma de disco), criada por governos para nos impedir de descobrir a “verdade”. Para sustentar essa teoria, eles afirmam que ninguém jamais atravessou todo o continente.

O problema com essa teoria, no entanto, é que pessoas já cruzaram a Antártida — e inúmeras vezes. Até mesmo no Polo Sul da Inacessibilidade, que é a parte mais longínqua da Antártida (embora sua localização exata esteja sempre em debate), é possível encontrar uma cabana de rádio, um minúsculo laboratório de pesquisa soviético abandonado e um busto de Lenin.

O “Polo de Inacessibilidade” já foi “frequentado”, já que no local existe cabana de rádio, minúsculo laboratório soviético abandonado e um busto de Lenin.

3 – A Terra é estacionária

Não! A Terra não é imóvel como os terraplanistas acreditam. Neste momento, o mundo está girando em torno de 1.600 quilômetros por hora. Mas, se isso está acontecendo por que não estamos voando por aí? Para entender isso basta imaginar um avião voando a 926 quilômetros por hora.

Tirando o momento da decolagem e pouso (quando há uma mudança na velocidade), durante toda a viagem você se sente notavelmente parado. Com isso, é possível andar pela cabine, servir uma bebida ou ir ao banheiro sem muita dificuldade.

O mesmo acontece com a rotação da Terra, que é constante (embora varie dependendo da latitude em que você esteja localizado). A atmosfera da Terra também desempenha um papel importante para essa estabilidade, além da própria força da gravidade.

4 – Todas as imagens do espaço são editadas

A prova mais óbvia de que o mundo não é plano é simplesmente olhar para uma imagem da Terra a partir do espaço, certo? Uma evidência fotográfica deveria ser bastante admissível, porém, um número surpreendente de pessoas argumenta que todas podem ter sido manipuladas.

De fato, algumas das imagens mais impressionantes tiradas do espaço parecem surreais, isso acontece porque nem sempre elas são fotografias em cores reais. Muitas vezes, são imagens compostas ou tiradas por meio de técnicas sofisticadas de fotografia.

Mas, isso não quer dizer que são “falsas” — de maneira nenhuma! São imagens compostas por meio de dados reais, geralmente com cores adicionadas para ilustrar, aprimorar ou destacar determinados recursos, a fim de corresponder às expectativas de como a Terra é vista do espaço.

5 – “Meus sentidos dizem que ela é plana”

O “método zetético” é fundamental na mentalidade dos terraplanistas. Em contraste com o método científico usual, esse sistema de crenças diz que os sentidos humanos são supremos.

Todo o conhecimento sobre a realidade deve ser alcançado diretamente através da observação pessoal, construindo uma teoria e, em seguida, testando se é verdadeira ou falsa. De acordo com o método zetético, nossa experiência pessoal na Terra nos diz que ela é plana porque simplesmente parece plana.

Contudo, não é preciso muito para provar que os sentidos nem sempre são confiáveis (basta considerar o que acontece em uma ilusão de ótica, por exemplo). Sabemos que muitas coisas existem além de nossas próprias observações e experiências. Por exemplo, uma pessoa daltônica pode perceber que uma flor é verde, mas isso não significa necessariamente que ela veja a cor verde da flor porque tem um “sentido amplo e aguçado da realidade”.

6 – Vênus e Mercúrio podem ser vistos à noite

O teórico da conspiração D. Marble, o mesmo homem que subiu no nível de voo de um avião para provar que o horizonte era plano, levantou a seguinte questão: se a Terra é um globo, como podemos ver Mercúrio e Vênus durante à noite entre ela e o Sol?

A verdade é que não podemos realmente ver Mercúrio e Vênus assim tão fácil. Além disso, é muito difícil observar Mercúrio a olho nu.

No entanto, podemos ocasionalmente ver esses dois planetas durante as horas crepusculares, entre o nascer e do pôr do sol, porque eles nem sempre estão diretamente entre o Sol e a Terra. É importante lembrar que os planetas não estão perfeitamente alinhados. Cada planeta está em um caminho orbital diferente, em velocidades diferentes.

7 – Raios solares

Alguns terraplanistas argumentam que os raios crepusculares provam que o Sol não está realmente tão distante. Se o Sol realmente estivesse a 149,6 milhões de quilômetros de distância, então seus raios deveriam cair paralelos na Terra, e não se estenderem em um ângulo informal.

Mas, o que eles não querem entender é que os raios solares são sim paralelos. Este efeito de expansão (de tudo estar iluminado de forma homogênea e não apenas colunas de luz) é apenas uma ilusão causada pela perspectiva.

Essencialmente, é o mesmo efeito que faz com que os trilhos do trem pareçam convergir (ficarem próximos ou agrupados) quando os observamos à distância.

Fonte(s): IFLScience Imagens: Reprodução / FreePik / Forbes / Space

Jornal Ciência