Síndrome do Choque Tóxico: garota de 13 anos morre após usar absorvente interno

de Redação Jornal Ciência 0

Jemma-Louise Roberts, de 13 anos, desenvolveu Síndrome do Choque Tóxico (SCT), uma infecção bacteriana rara, mas potencialmente fatal, associada ao uso de absorventes internos. Ela não resistiu à doença e acabou falecendo. A jovem nadadora, atleta do clube local, em Hindley, Wigan, na Inglaterra, tinha começado a usar o absorvente como uma maneira mais discreta em seu período de menstruação.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Jemma começou a passar mal, com diarreia e vômitos, enquanto estava de férias com a família, e foi inicialmente diagnosticada com norovírus, principal causador de gastroenterite em adultos.

infeccao-generalizada-por-absorvente-interno_01

Seus pais foram orientados a mantê-la longe de hospitais para impedir que outros pacientes fossem infectados. Mas sua condição piorou subitamente e ela foi levada a outro hospital, onde foi diagnosticada com Síndrome do Choque Tóxico. As bactérias invadiram a corrente sanguínea do corpo, onde liberaram toxinas perigosas, desequilibrando várias funções vitais de diversos órgãos.

Esta síndrome é uma emergência médica e os acometidos devem procurar ajuda imediatamente. Tragicamente, a infecção já havia tomado conta do corpo de Jemma.

Ela morreu uma semana depois de ter um sangramento no cérebro, enquanto estava em uma aparelhagem cardíaca e pulmonar, no Hospital Infantil Alder Hey. Exames de sangue revelaram a presença da bactéria estafilococos, causando infecção generalizada. 

Os primeiros sintomas são febre alta seguida de constipação, náuseas, vômitos e diarreia. Uma erupção cutânea em todo o corpo pode então aparecer, e a síndrome pode causar falência dos órgãos, quando não tratada a tempo. 

Amigos e familiares, incluindo o pai de Jemma, Tony, de 43 anos, e seu irmão Joseph, 13, já arrecadaram o equivalente a mais de R$ 200 mil reais para o Hospital Infantil Alder Hey, em sua memória. “Se pudermos salvar ao menos uma vida, valerá a pena”, concluiu a mãe.

Fonte: Daily Mail Fotos: Reprodução / Daily Mail

Jornal Ciência