Quanto ganha um atleta que conquista medalha nas Olimpíadas?

Muitos acreditam que os atletas ganham dinheiro em prêmio após conquistar a tão suada medalha. Mas, será verdade?

de Redação Jornal Ciência 0

De acordo com o Comitê Olímpico Internacional, o órgão não dá prêmios em dinheiro para os medalhistas. O mesmo ocorre com o país que está sediando as Olimpíadas, não remunerando financeiramente.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Apesar disso, muitos países recompensam com prêmios em dinheiro seus campeões pelas conquistas, já que a nação é enaltecida durante os Jogos.

Um exemplo disso é da atleta Hidilyn Diaz, das Filipinas, que conquistou a primeira medalha olímpica de ouro do país na semana passada, no Japão, durante competição de levantamento de peso.

O feito inédito deixou seu nome carimbado no mundo dos esportes, mas também na história do país, que aguardou 97 anos por este momento.

Por isso, a Comissão Esportiva das Filipinas, juntamente com empresários, doou o prêmio de 33 milhões de pesos filipinos. Isso equivale a aproximadamente US$ 600.000, algo superior a 3 milhões de reais!

Ela ainda teria recebido duas casas e passagens aéreas gratuitas por toda a vida, de acordo com informações do portal filipino Rappler.

Um levantamento feito pela CNBC em 12 países mostra que muitos atletas recebem prêmios, mas isso não é regra e dependente de cada país se dará ou não recompensas financeiras.

A CNBC usou dados compilados de associações esportivas, de informações de finanças pessoais dos atletas, registros dos comitês olímpicos, além de dados financeiros do Money Under 30.

Nos Estados Unidos, por exemplo, o Comitê Olímpico e Paraolímpico dá US$ 37.500 para cada medalha de ouro que o atleta conseguir, US$ 22.500 para cada de prata e US$ 15.000 para cada medalha de bronze.

Os impostos no país são altíssimos, podendo chegar a quase 40% para quem ganha acima de US$ 628.300 por ano, mas a renda das recompensas olímpicas não é tributada em sua grande parte, a menos que os atletas informem ter renda anual superior a US$ 1 milhão.

Em Cingapura, o valor oferecido é muito maior que nos EUA. No país, um campeão olímpico com medalha de ouro recebe US$ 737.000 — algo por volta de R$ 3,7 milhões!

Mas, em Cingapura, os atletas recolhem os impostos e precisam, obrigatoriamente, dar uma parte do prêmio às associações esportivas para estimular o treinamento e a formação de atletas das próximas gerações.

Na Malásia, um atleta olímpico com medalha de ouro pode faturar 1 milhão de ringgit malaio — equivalente a R$ 1,2 milhão! Quem ganha prata, recebe 300.000 ringgit e 100.000 ringgit se for bronze.

Comparado com países ricos, como Austrália e Canadá, um medalhista de ouro ganha menos que um medalhista de bronze da Malásia, de acordo com os dados levantados pela CNBC.

É importante lembrar que em muitos países, como nos EUA, atletas medalhistas especialmente de ouro, fazem verdadeiras fortunas com campanhas publicitárias, licenciamento de produtos e patrocínios astronômicos.

De acordo com a revista Forbes, a realidade norte-americana não é para todos. Muitos atletas não possuem patrocinadores ou agentes esportivos. Este seria um dos motivos que teria levado o jogador de badminton, Zhang Beiwen, fazer um financiamento coletivo (a famosa vaquinha on-line) para conseguir ir para Tóquio.

Em diversos países, muitos atletas precisam trabalhar para manter o seu sustento. Outros, conseguem um salário fixo dos comitês esportivos locais para poderem apenas treinar.

Um dos casos mais notáveis é da tenista Naomi Osaka, considerada uma estrela do esporte no Japão. Ela é a atleta feminina mais bem paga do mundo, de todos os tempos, após fechar patrocínios de US$ 55 milhões (281 milhões de reais) em apenas um ano, antes mesmo das Olimpíadas.

E o Brasil?

De acordo com o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), se a medalha for individual, o valor ganho é de R$ 250 mil para o ouro, R$ 150 mil para prata e R$ 100 mil para o bronze.

Se a medalha for em esportes coletivos com até 6 participantes, os valores devem ser divididos entre os atletas de forma igualitária. Os valores são: R$ 500 mil ouro, R$ 300 mil prata e R$ 200 mil bronze.

Em esportes com mais de 6 atletas, como por exemplo futebol e vôlei, os valores são: R$ 750 mil ouro, R$ 450 mil prata e R$ 300 mil bronze.  

Fonte(s): Exame / Forbes / Rappler Imagens: Reprodução / Fifg / Shutterstock.com

Jornal Ciência