Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Primeira extinção em massa após os dinossauros: população de animais selvagens cairá em 70%

de Merelyn Cerqueira 0

De acordo com um relatório divulgado pela WWF e Zoological Society of London, atualmente enfrentamos a primeira “extinção em massa desde a era dos dinossauros”.

A caça ilegal e destruição de habitat representam alguns dos fatores por trás do declínio de espécies ameaçadas, que incluem tigres, elefantes e gorilas. Conservacionistas alertam que até o final desta década, sete em cada 10 dos mamíferos, peixes, anfíbios, répteis e aves do mundo terão sido eliminados.

extincao-em-massa_02

Segundo o jornal Daily Mail, as conclusões sombrias foram descritas como uma chamada de atenção para que possamos ajudar as salvar os animais restantes da Terra, antes que seja tarde demais. Para o estudo foram avaliadas 14.152 populações de mamíferos, aves, peixes, anfíbios e répteis. Entre os anos de 1970 e 2012, os números caíram 58%, em uma média de 2% a cada ano e sem qualquer sinal de desaceleração.

A menos que medidas sejam tomadas para reverter esse quadro, estima-se que até 2020, as populações de espécies de vertebrados poderão ter caído em 67%, durante um período de 50 anos. Os fatores prejudiciais associados à atividade humana incluem cultura de caça, agricultura, pesca excessiva, desmatamento, presença de resíduos plásticos na natureza, bem como mudanças climáticas e poluição do ar.

extincao-em-massa_03

Segundo Mike Barrett, diretor de Ciência e Política para a WWF do Reino Unido, pela primeira vez, desde o desaparecimento dos dinossauros, estamos diante de uma extinção em massa da vida selvagem global. “Nós ignoramos o declínio de outras espécies por nossa conta e risco – pois elas são como barômetros que revelam o impacto sobre o mundo que nos sustenta”, disse. “Sabemos como parar e exige que os governos, empresas e cidadãos repensem a forma como produzem, consumem, medem o sucesso e valorizam o ambiente natural”.

O relatório apontou que a população de elefantes africanos caiu em 111.000 na última década, em razão, principalmente, da caça furtiva. Atualmente, apenas 415.000 ainda estão vivos. Mais raros, os pandas gigantes detêm um número total de 1.864 remanescentes, enquanto que há 3.900 tigres em todo o mundo. Mais surpreendente que isso são os leopardos de Amur, uma das espécies em maior risco de extinção, com apenas 70 exemplares remanescentes.

Handout photo from Marwell Zoological Park of a Amur Leopard, issued September 23 2003. One of the world's rarest big cats , Jade, a two-year-old Amur leopard, has died when it escaped from its enclosure and fell 16 feet from a tree after it was tranquillised, it emerged today. The Amur leopard, which originates from the Russia-Chinese border, got through the wire mesh of her home at Marwell Zoo, near Winchester, Hants, on Monday morning and climbed a tree above it. An investigation was under way to find out how the leopard got through the newly erected mesh.See PA Story ANIMALS Leopard. PA handout photo.

Em um plano geral, as espécies terrestres caíram em 38% entre os anos de 1970 e 2012, enquanto que as de água doce, 81%. Para as criaturas marinhas – com base em 6.170 populações de 1,353 espécies de peixes, aves, mamíferos e répteis – o relatório encontrou um declínio de 36%.

Os piores anos relatados estavam entre 1970 e 1980. No entanto, o declínio foi estabilizado graças aos esforços para impedir a pesca excessiva. Outro ponto positivo mostrava que espécies que vivem em campos africanos aumentaram ligeiramente desde 2004, em razão dos esforços de conservação. O relatório destacou também o sucesso da proteção de habitat e rigoroso controle de caça realizado na Europa.

Segundo Ken Norris, diretor de Ciência no ZSL, “o comportamento humano continua a impulsionar o declínio das populações de animais selvagens em todo mundo, com um impacto maior nos habitats de água doce”. No entanto, ele ressalta que estes são apenas declínios e não extinções. “Esta deve ser uma chamada de alerta para mobilizar esforços a fim de promover a recuperação destas populações”.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência