Os micróbios podem ser nossos aliados. Entenda!

de Julia Moretto 0

A maioria de nós considera os micróbios desagradáveis, mas a Ciência recentemente começou a transformar a nossa visão sobre eles. Primeiramente, um micróbio é uma bactéria impossível de ser vista a olho nu. E agora, depois de décadas tentando eliminá-los, o microbioma humano – o conjunto das comunidades de micróbios que vivem em nós – se modificou.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Os micróbios não têm intenções boas ou más, mas é possível perceber que certas comunidades deles são vitais para a nossa saúde e para nossas colheitas. A maioria deles quer nos beneficiar ou não fazer mal na maior parte do tempo. Essa nova percepção está dirigindo descobertas e uma reavaliação no centro de dois dos esforços essenciais e icônicas da humanidade – medicina e agricultura.

ID:64615990

Os membros do nosso microbioma, especialmente aqueles que vivem no intestino, não só ajudam a manter os seus primos causadores de doenças fora de nós, como também criam compostos de que precisamos, mas que nossos próprios corpos não produzem. Butirato é um desses compostos: sem um fornecimento estável, células que revestem o cólon começam a funcionar mal, o que pode levar a certos tipos de câncer e síndrome do intestino solto, entre outras doenças.

No mundo botânico os micróbios benéficos que vivem dentro das raízes de uma planta produzem hormônios de crescimento e as estimulam a produzir os seus próprios compostos defensivos. As plantas, por sua vez, liberam açúcares e proteínas de suas raízes para alimentar os aliados microscópicos.

Mas, não contamos com os pequenos parceiros apenas enquanto os interesses estão alinhados. Quando bagunçamos nosso microbioma – através do uso indiscriminado de toxinas microbianas como antibióticos e agroquímicos – eles podem se transformar. Os micróbios incomodados podem se proliferar e causar estragos. A longo prazo, isso prejudica as nossas defesas naturais e nosso próprio sistema imunológico.

Na verdade, a guerra contra os micróbios causou vitórias com consequências imprevisíveis. Embora tenhamos dominado muitas doenças infecciosas, os micróbios causam doenças que já não podemos combater com o uso de antibióticos. A perda ou alteração do microbioma humano também significa algumas doenças crônicas comuns que afligem nossas vidas modernas, incluindo diabetes – tipos 1 e 2 – doença inflamatória intestinal, certos tipos de câncer, esclerose múltipla, asma e alergias.

E na agricultura, embora possamos ter alta produtividade na maioria dos anos, também vemos campos mais vulneráveis a surtos de pragas e perdas globais de fertilidade do solo. Ao longo das últimas décadas, os cientistas observaram que esses problemas estão enraizados na maneira como tratamos as comunidades microbianas que vivem no solo.

No livro “The Hidden Half of Nature” (“A metade oculta da natureza” em tradução livre), é possível identificar algumas formas de como recrutar e trabalhar com aliados microbianos baseados em avanços científicos. Proteger e, quando possível, restaurar microbiomas é fundamental. Podemos proteger os microbiomas de crianças, por exemplo, oferecendo antibióticos somente quando necessário. Nós também podemos praticar o cultivo de microbiomas. Para os seres humanos, é bastante simples: uma dieta rica em fibras melhora seu microbioma intestinal, e é a melhor maneira de mantê-lo controlado.

As plantas também podem se beneficiar de um microbioma bem alimentado. Usando rotação de culturas, elas constroem matéria orgânica e fazem a microbiota do solo prosperar. Práticas como estas formam uma base necessária para conservar e proteger os microrganismos de que precisaremos para manter corpos saudáveis e fazendas produtivas. De fato, a gestão de micróbios benéficos é eficaz – e talvez a única forma – para mantê-los ao nosso lado no futuro. Este artigo foi publicado originalmente no The Conversation.

[ Ifl Science ] [ Fotos: Reprodução / Ifl Science ]

Jornal Ciência