Bilionários investiram em empresa de biotecnologia para reverter o envelhecimento

de Redação Jornal Ciência 0

A próxima grande novidade do Vale do Silício pode ser uma maneira de as pessoas ficarem mais jovens por mais tempo.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O MIT Technology Review relata que o fundador da Amazon, Jeff Bezos, e o bilionário russo-israelense Yuri Milner, investiram na Altos Lab, uma empresa de biotecnologia que está investigando técnicas de rejuvenescimento em nível celular.

A empresa ainda não fez nenhum anúncio, mas arrecadou 270 milhões de dólares e atraiu muitos talentos de todo o mundo graças a salários extremamente generosos. O objetivo científico é dominar a capacidade de realizar a reprogramação celular. Especificamente, trata-se de entender como as células envelhecem e como realmente voltar o tempo nesse processo.

Agora, a reprogramação de células é uma nova e excitante via de investigação para uma ampla gama de terapias. O controle dos processos celulares pode tornar muitas doenças uma coisa do passado — como o mal de de Parkinson ou a Esclerose Lateral Amiotrófica.

A humanidade está longe de ser capaz de fazer algo realmente significativo sobre doenças, mas no que diz respeito ao envelhecimento, algumas descobertas interessantes já aconteceram.

“A reprogramação celular é uma das ideias mais selvagens e emocionantes da biologia do envelhecimento — apenas quatro genes, originalmente descobertos tentando entender as células-tronco, parecem capazes de reverter a flecha biológica do tempo”, disse Andrew Steele, cientista e autor de Ageless, um livro sobre a ciência do envelhecimento, em entrevista à IFLScience.

“Isso é muito bem compreendido nas células, e demos alguns primeiros passos em animais inteiros — a questão é se podemos entender o suficiente sobre isso para transformar as descobertas em tratamentos viáveis. Estou animado o suficiente para pensar que definitivamente vale a pena tentar!”, complementou.

Grandes obstáculos, tanto biológicos quanto técnicos, estão à frente para entender isso. E só porque essa abordagem tem potencial, isso não significa que os cientistas serão capazes de cumprir essas promessas.

“Minha principal nota de cautela é que o processo de envelhecimento é altamente multifacetado — em meu livro, falo sobre dez ‘marcas’ do processo de envelhecimento, embora alguns cientistas tenham listas ligeiramente diferentes — e não é necessariamente óbvio que o rejuvenescimento das células será suficiente para lidar com todas as mudanças biológicas que vemos com a idade”, disse Steele.

“Se a reprogramação funcionar, pode ser que outros tratamentos sejam necessários em combinação com ela para realizar seu verdadeiro potencial — e seria uma grande vergonha se não conseguíssemos desenvolvê-los completamente”.

O rejuvenescimento não é apenas vaidade. Com certeza, a sociedade tem um foco doentio em ser jovem e convencionalmente atraente. Anúncios e notícias frequentemente visam nossas inseguranças quanto ao envelhecimento.

Mas o envelhecimento também significa mais riscos à saúde e piores resultados quando se trata de doenças. Se o envelhecimento pudesse ser retardado, interrompido ou talvez até revertido, teria efeitos extremamente benéficos para a sociedade. Não apenas moral, mas também econômico.

Um artigo no início deste ano sugeriu que 1 ano a mais de vida saudável valerá 38 trilhões de dólares para a economia dos Estados Unidos. Se tais tratamentos de rejuvenescimento estivessem disponíveis, haveria muitos motivos para fazê-los. E não há razão para não esperar que eles estejam disponíveis se funcionarem.

Tal abordagem não seria entregue em um frasco rosa brilhante, certamente seria um tratamento genético-farmacológico. Certamente não seria acessível para todos. 

Fonte(s): IFLScience Imagens: Reprodução / Shutterstock

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência