Australiana que inalou 360 tubos de “gás do sorriso” ficou paraplégica sem chances de recuperação

de Merelyn Cerqueira 0

Uma estudante australiana com pouco mais de 20 anos pode nunca mais andar após ter inalado grandes quantidades de óxido nitroso em apenas uma semana.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O gás, conhecido como “do riso”, danificou sua medula espinhal de uma maneira que os médicos acreditam que nunca mais se recuperará, de acordo com informações do jornal inglês Metro. 

Cerca de centenas de milhares de tubos de óxido nitroso são inalados todos os anos na Austrália, com o descarte das embalagens feitos em parques e praças públicas.

O caso da jovem foi contado em um programa matinal da TV australiana (ABC) como uma forma de desencorajar outros usuários a consumirem a droga, que se tornou extremamente popular e já foi associada à morte de muitas pessoas.

“Muito recentemente, eu atendi uma paciente de 20 anos de idade, cujo cérebro pareceu ter o mesmo nível de dano que um alcoólatra que já bebia há 40 anos”, explicou o toxicólogo Dr. Andrew Dawson, ao programa de TV da ABC. “Tivemos uma duplicação do número de chamadas de hospitais sobre pessoas significativamente afetadas pela exposição ao óxido nitroso”, disse.

Por efeitos, Dr. Dawson afirmou que se tratam de lesões graves nos nervos do corpo ou cerebrais, que aumentaram significativamente nos últimos dois anos. “Essas mortes podem estar relacionadas com qualquer coisa, incluindo a explosão dos pequenos cilindros ou com as pessoas se tornando hipóxicas – isto é, falta de oxigênio – pelo uso excessivo”, explicou.

A venda do gás do riso, também chamado de “hilariante”, foi proibida em todo o Reino Unido em 2015. No entanto, após o colapso no tribunal de dois casos envolvendo a droga, a proibição está sendo revisada. Isso porque uma brecha que gira em torno da lei permite aos médicos prescreverem o produto como analgésico. Isto é, para aliviar dores.     

Fonte: Metro Fotos: Reprodução / Metro

Jornal Ciência