Poço de Jacó: o local mais perigoso e radical do mundo para mergulhos

de Redação Jornal Ciência 0

Você pularia em um lugar que parece um “poço sem fundo”? Para os movidos por fortes emoções e que adoram sentir a adrenalina pulsar, aqui vai uma dica simplesmente imperdível: visite o Poço de Jacó.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O Poço está localizado em Wimberley, no Texas (EUA), e é, sem dúvida, um dos lugares mais perigosos do mundo. O nome Jacó vem de referências bíblicas, e o poço já matou 8 mergulhadores.

No entanto, a julgar pelo número de caçadores de aventuras que visitam o local, na casa dos milhares por ano, esta informação parece no mínimo ser irrelevante.

Vista a partir da superfície, o poço parece inofensivo, tendo apenas 4 metros de largura com águas tranquilas, o que camufla os perigos que se escondem dentro dele. O poço também tem 4 câmaras que se estendem a vários metros abaixo da superfície, e este sim é o fator no qual deve ser levado com muita atenção.

A primeira câmara é uma queda em linha reta de aproximadamente 30 metros, e recebe luz solar o suficiente para manter algas e vida selvagem em seu interior.

Já a segunda câmara é muito mais profunda que a primeira, tendo quase 80 metros, abrigando uma falsa saída que é, na verdade, uma armadilha para qualquer mergulhador, desde o amador até o mais experiente.

Uma pequena abertura na segunda câmara serve de passagem para chegar até a terceira câmara igualmente profunda e perigosa.

A entrada para a quarta câmara é uma passagem bem mais apertada. Poucos mergulhadores se arriscaram a explorá-la, e os que tiveram coragem acabaram nomeando o local como “caverna virgem”.

No fundo da quarta câmara existe uma fenda mínima. Estes níveis mais profundos são tão perigosos que até mesmo mergulhadores profissionais que tentaram, não conseguiram sair com vida.

A última vítima conhecida foi Wayne Madeira Russell, um carteiro de Austin, EUA. Ele era também um mergulhador experiente, mas não conseguiu se livrar das armadilhas do labirinto.

Imagens: Divulgação / Redes Sociais

Jornal Ciência