O morcego-de-cauda-livre é oficialmente a criatura voadora mais rápida do mundo

de Gustavo Teixera 0

Esportes exóticos estão na moda, e agora parece que até mesmo o reino animal tem um vencedor.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Uma criatura inesperada acabou de ser considerada o animal voador mais rápido do mundo: o morcego-de-cauda-livre, cientificamente conhecido como Molossidae. Em um novo estudo publicado na revista da Royal Society Open Science, os pesquisadores explicam que até agora os morcegos eram considerados mais lentos do que os pássaros, devido ao fato de que a morfologia de suas asas tende a gerar mais resistência no ar, além de suas orelhas grandes também os atrapalharem.

No entanto, depois de medir a velocidade de voo de sete morcegos-de-cauda-livre, ao longo de uma semana, a equipe descobriu que eles são muito rápidos em rajadas curtas de voo horizontal, atingindo uma velocidade máxima de cerca de 160 quilômetros por hora.

Esta velocidade não é igualada por qualquer outra espécie de morcego, e também ofusca a maior velocidade de voo horizontal já registrada em aves, como o andorinhão-preto que pode voar a 112 quilômetros por hora. Para coletar os dados, a equipe anexou pequenos transmissores de rádio às costas dos morcegos e rastreou os sinais emitidos por esses dispositivos usando receptores aéreos que seguiram os mamíferos em suas viagens noturnas. Segundo os pesquisadores, os morcegos foram capazes de atingir essas velocidades vertiginosas pela facilidade em planar, sendo que eles aumentam os intervalos entre cada vez que batem suas asas e simplesmente deslizam no ar.

Dificilmente poderíamos acreditar em nossos dados, mas eles estavam corretos: às vezes, as fêmeas, que pesam entre 11 e 12 gramas, voavam a velocidades maiores que 160 quilômetros por hora. Um novo recorde para o voo horizontal”, explicou o coautor do estudo Kamran Safi.

[ IFL Science ] [ Foto: Reprodução / IFL Science ]

Jornal Ciência