Análise revela que cobra de quase 5 metros teria comido três veados inteiros

de Merelyn Cerqueira 0

Um píton birmanês aprisionado e eutanasiado em junho de 2013, em Everglades, Flórida, com mais de 5 metros de comprimento, apresentou restos mortais de três veados em seu intestino.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Os pesquisadores que conduziram a necropsia da criatura à época descobriram que o fato poderia ser um novo recorde, e somente agora os detalhes foram revelados em um estudo publicado pelo periódico BioInvasions Records, de acordo com informações do jornal The Telegraph.

cobra-se-alimenta-de-tres-veados-inteiros_01

Nativo do Sudeste Asiático, o píton birmanês é considerado agora uma espécie invasiva na Flórida, após ter sido introduzido na região durante a década de 1990. De acordo com o pesquisador principal do estudo, Scott Boback, professor associado de biologia na Dickinson College, Pensilvânia, a cobra provavelmente consumiu os veados em cerca de 90 dias, um período relativamente curto para três grandes refeições.

cobra-se-alimenta-de-tres-veados-inteiros_02

Se um píton é capaz de comer três veados em apenas três meses, o que mais eles estão comendo que não estamos sabemos?”, disse em entrevista à Live Science. “Nós sequer sabemos quantos deles estão lá fora [em Everglade]”.

cobra-se-alimenta-de-tres-veados-inteiros_03

O estudo observou que os pítons não nativos eram conhecidos por comerem espécies silvestres. Logo, pesquisas anteriores mostraram uma correlação entre um aumento da presença das cobras e uma queda significativa nos números de mamíferos na região, como coelhos, linces e guaxinins. “Basta questionar: com que frequência eles estão comendo essas coisas?”, disse Boback enquanto discutia as novas descobertas.

Os pesquisadores sugeriram que a cobra poderia ter se escondido na água, o que permitiu que chegasse a uma distância bem curta das presas enquanto saciavam a sede.

Ainda, de acordo com Teresa Hsu e Suzanne Peurach, coautoras do estudo, enquanto realizavam a autópsia na gigante serpente, encontraram quase dois quilos de material fecal, o que equivalia a quase 13% de toda a sua massa corporal. As fezes continham uma grande quantidade de pelos não digeridos, cascos, ossos e dentes.

[ The Telegraph ] [ Fotos: Reprodução / The Telegraph ] 

Jornal Ciência