A fascinante história da primeira lista telefônica

Logo após a invenção do telefone, alguém surgiu com a ideia de que era necessário um local onde diferentes números de telefone pudessem ser armazenados

de Redação Jornal Ciência 0

A lista telefônica, embora já bastante desatualizada, foi um objeto essencial em muitos lares durante o século passado.

Logo após a invenção do telefone, alguém surgiu com a ideia de que era necessário um local onde diferentes números de telefone pudessem ser armazenados, para que as pessoas pudessem localizar outras e até mesmo empresas, através uma grande lista de números.

Alexander Graham Bell. Foto: Reprodução / Shutterstock

Alexander Graham Bell, que inventou o telefone, registrou o primeiro modelo em 1876, embora a licença não descrevesse essa invenção como tal. Após patentear, Bell começou a demonstrar seu uso. Para isso, ele teve que comparecer a várias conferências para apresentar sua invenção às elites científicas e ao público nas ruas.

Um ano depois, Bell conseguiu comparecer ao centenário da Filadélfia. Foi um grande passo para o inventor, já que essa demonstração fez com que sua invenção fosse divulgada em todos os jornais locais e, eventualmente, se tornasse famosa.

Primeiro telefone do mundo criado por Bell. Foto: Reprodução / Everett Collection / Shutterstock.com

E, com a fama do telefone, começaria a história da primeira lista telefônica. Mas, antes de nos aprofundarmos na história deste guia, vamos primeiro dizer algumas coisas sobre as listas telefônicas.

1. O que é uma lista telefônica?

Alguns de nós podem ser muito jovens para lembrar o que é.  Uma lista telefônica era um livro no qual você podia pesquisar os números de telefone de diferentes pessoas, de modo que pudesse ter todos armazenados em um só lugar.

Antes, obviamente, você não podia armazenar os números no seu telefone celular, principalmente porque as listas telefônicas chegaram antes mesmo dos telefones celulares e muito antes de terem a capacidade de armazenar outros números.

Além disso, esses guias possuíam diversos números de telefone de interesse público, como os da polícia, bombeiros, hospitais, proteção civil e outras instituições. Por sua vez, antes existiam diferentes tipos de guias dedicados a fins específicos, como guias de negócios e estabelecimentos comerciais. Dito isso, agora podemos começar com a história da primeira lista telefônica.

2. A primeira lista telefônica

Um ano depois que essa grande invenção apareceu nos jornais, a primeira central telefônica foi instalada em New Haven, Connecticut, EUA. E a mesma empresa que a instalou, publicou, em 21 de fevereiro de 1878, a primeira lista telefônica do mundo.

Esse guia era composto por uma única folha de 14 x 21 centímetros e incluía os nomes de 50 pessoas que tinham telefone na cidade.

A lista, porém, não incluía o número de ninguém, pois naquele momento você tinha que primeiro entrar em contato com a central telefônica, depois dar o nome da pessoa com quem queria falar e através da mesma central a ligação era intermediada.

Dessa forma, a primeira lista telefônica anunciava apenas as pessoas que tinham telefone na cidade, para que você pudesse saber com quem poderia se comunicar dessa forma.

3. A lista telefônica mais cara do mundo

Algum tempo depois, a mesma empresa criou um segundo diretório que continha mais páginas e que, por sua vez, tinha 391 assinantes. Esses assinantes pagavam cerca de US$ 22 por ano para se qualificarem para esse serviço.

No entanto, essa lista ainda não oferecia números de usuário, embora anunciasse várias empresas locais com as quais você poderia entrar em contato na época.

Esta não foi a primeira lista telefônica, mas com o tempo tornou-se a lista telefônica mais cara do mundo. Na verdade, este guia foi vendido em 2008 na casa de leilões Christie’s por uma grande soma de dinheiro.

Ela foi vendida por US$ 170.500! É considerada a primeira lista telefônica do mundo a ter mais de uma página e por isso seu valor foi tão alto, já que é considerada uma relíquia entre colecionadores e amantes da História.

Fonte(s): Super Curioso Imagens: Reprodução / Shutterstock 01 / 02 / 03

Jornal Ciência