TOP 7 cédulas e moedas antigas que podem valer fortunas

de Merelyn Cerqueira 0

Se você não é um numismático – ou colecionador de moedas –, provavelmente não deve saber que algumas notas e moedas podem valer até quase 400 vezes mais do que seu valor de face. Quanto mais rara ela for, maior será seu valor.

 

Aspectos dessas “raridades” por vezes incluem assinaturas de ministros da fazenda que ficaram pouco tempo no cargo, números de série errados ou a conservação da cédula. Os numismáticos, por exemplo, consideram um estado chamado “flor de estampa”, que sugere que a cédula é nova, lisa e mantém seu alto relevo preservado. Essas terão maiores valores do que uma nota mais usada, embora a vida média de uma nota seja de 11 meses até que precise ser recolhida pelos bancos.

 

Na lista abaixo, publicada originalmente pela Mundo Estranho, você poderá conferir oito exemplos de notas e moedas valiosas para ficar atento ao que chegar em suas mãos.

 

1- “Deus seja louvado” (nota de R$ 50)

real_02

Utilizada no dinheiro brasileiro desde 1986, a frase foi esquecida nos primeiros lotes de reais de 1994. No entanto, quando se tornou ministro da Fazenda, Rubens Ricupero trouxe-a de volta. Comoficou apenas cinco meses no cargo, a nota de 50 reais que contém a frase e sua assinatura é considerada raríssima, podendo valer até R$ 4.000 no mercado.

 

2- Firma reconhecida (nota de R$ 50)

real_03

Toda cédula, além da assinatura do ministro da Fazenda em posse, vem com a marca do presidente do Banco Central. Considerando que alguns deles ficam pouco tempo no cargo, como Pérsio Arida, que presidiu o banco entre janeiro e junho de 1995, a nota de 50 reais, assinada por ele e que teve apenas 400 mil impressões, é considerada altamente valiosa, podendo custar até R$ 3.000.

 

3- Fora de série (notas de R$ 5 e R$10)

real_04

Em meados dos anos 1990, notas defeituosas impressas foram descartadas pela Casa da Moeda e substituídas por cédulas que traziam um pequeno asterisco junto ao número de série. Dito isso, em 1994, foram impressas cerca de 400 mil delas, entre cédulas de cinco e dez reais com o precioso detalhe, que pode valer até R$ 2.000.

 

4 -“Made in Europe” (notas de R$ 5, R$ 10 e R$ 50)

real_05

Em julho de 1994, quando a Casa da Moeda estava prestes a lançar o real, precisou encomendar impressões da Europa, mais especificamente da Alemanha (R$ 5), Inglaterra (R$ 10) e França (R$ 50). Logo, todas elas possuem a letra “B” no final do número de série, bem como uma discreta identificação da fabricante no verso que pode valer até R$1.500.

 

5- Número censurado (nota de R$ 50)

real_06

Diferente dos defeitos e alterações apresentados anteriormente, neste caso, a distorção é mais recente. As notas em questão, quando saíram do controle de qualidade da Casa da Moeda, estavam com o número de série censurado, e por esse motivo podem valer até R$ 500, entre os colecionadores.

 

6- Moeda de reverso invertido   

real_07              

Quando giramos uma moeda normal em um eixo horizontal, o lado contrário fica de cabeça para baixo. Diferente disso, se estiverem com a face em mesmo nível, podem ser consideradas raríssimas e altamente valorizadas, embora o preço seja variável.

 

7- Moedas comemorativas (R$ 1, R$ 0,25 e R$ 0,10)

real_08

Estima-se que em 1998 tenham sido cunhadas apenas 600 mil unidades de uma moeda comemorativa de um real que traz uma homenagem aos 50 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.A  Casa da Moeda também produziu algumas com gravações em homenagem a FAO, um órgão de combate à fome da ONU, estampando quase 1 milhão entre 140 milhões de moedas de 25 centavos produzidas no ano de 1995.

 

No mesmo ano, também foram cunhadas moedas de 10 centavos com o mesmo motivo, sendo 1 milhão contra 239 milhões das normais. Enquanto que as de 25 e 10 centavos, de 1995, podem valer até R$ 25, as de um real, produzidas em 1998, podem chegar até R$ 40.

[ Mundo Estranho ] [ Fotos: Reprodução / Mundo Estranho ]

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Jornal Ciência