Repórter denuncia que Talibã estava prestes a atingir seu cinegrafista com pistola

A jornalista disse ainda que a situação enfrentada por muitos afegãos que tentam escapar do país é “de partir o coração”

de Redação Jornal Ciência 0

A correspondente internacional da CNN, que está em Cabul, no Afeganistão, denunciou os horrores que vêm ocorrendo desde que o grupo Talibã retomou o poder.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Clarissa Ward disse seu cinegrafista foi cercado pelo Talibã e estavam decididos a golpeá-lo com armas de fogo quando gravava, usando seu celular, cenas calamitosas que estão ocorrendo em Cabul.

“Dois combatentes do Talibã se aproximaram com suas pistolas nas mãos e já estavam prontos para acertá-lo com os cabos. Tivemos que intervir e gritar”, disse Clarissa.

Ela comentou ainda que um terceiro componente do Talibã decidiu se aproximar ao ouvir os gritos para impedir que seus colegas atacassem os jornalistas, avisando que eles eram membros da imprensa.

Clarissa também comentou que as condições da capital são desoladoras, com muitas pessoas abordando os jornalistas pedindo ajuda para sair do Afeganistão.

“É tão comovente. Todo mundo chega até nós com seus documentos, seus passaportes, dizendo: ‘Por favor, eu trabalhei na base Camp Phoenix [dos EUA], fui um tradutor, me ajuda, me ajude ir para os Estados Unidos´”.

Segundo a repórter, a situação nos arredores do aeroporto ainda é extremamente caótica: “É muito arriscado, muito perigoso, completamente imprevisível”, disse.

Fonte(s): RT Imagens: Reprodução / CNN

Jornal Ciência