Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Raríssima “água-viva fantasma” com braços orais de 10 metros é avistada na costa da Califórnia; veja fotos e vídeo

Apesar da falsa aparência frágil pelo formato gelatinoso de fitas, são predadoras vorazes

de Redação Jornal Ciência 0

Uma rara e indescritível criatura do fundo do mar foi capturada pelas câmeras de um moderno submersível remoto de alta tecnologia da Monterey Bay Aquarium Research Institute (MBARI), da Califórnia, EUA.

A “água-viva fantasma” (espécie Stygiomedusa gigante) é considerada bastante rara de ser avistada. O instituto conseguiu as imagens deste exemplar que possui 10 metros de comprimento em seus “braços orais”.

As filmagens foram feitas a 975 metros de profundidade, na costa da Califórnia, e deixou os cientistas da MBARI empolgados porque, apesar de serem conhecidas da ciência, são raríssimas as suas aparições.

A raridade é tamanha que o primeiro registro da espécie ocorreu em 1899 e, mesmo com todas as pesquisas robóticas sobre a biologia marinha em todo o planeta, foram vistas novamente apenas 100 vezes.

As regiões onde costumam habitar são muito profundas e poucos países têm estrutura e institutos com equipamentos modernos de acesso à pesquisa. O oceano Ártico é o único local onde não há registro de sua presença.

Embora seja conhecida por ser uma das maiores águas-vivas do mundo, ainda há muito mistério em torno do impressionante tamanho e largura de seu corpo, por viverem em ambientes hostis de enorme pressão.

Um dos maiores predadores do mundo

Não se engane com sua aparência “mole e frágil”. Esta água-viva fantasma possui o “sino” com 1 metro de diâmetro e seus 4 braços bucais em forma de fita, com 10 metros de comprimento, capturam facilmente diversos animais.

Os braços conseguem agarrar presas indefesas e levá-las à sua poderosa boca. Um estudo de 2017 mostrou que elas são ferozes na alimentação, segundo a MBARI.

São algumas das criaturas mais predatórias do fundo dos oceanos, competindo diretamente com cefalópodes como polvos e lulas e até baleias-azuis para não perderem uma refeição. Confira abaixo.

Fonte(s): NYPost / LiveScience Imagem de Capa: Reprodução / MBARI Foto(s): Reprodução / MBARI

Jornal Ciência