Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Conheça a história por trás desta famosa fotografia que retrata um método de castigo doloroso e cruel

de Merelyn Cerqueira 0

A foto acima foi tirada em julho de 1913 pelo francês Albert Kahn, um banqueiro milionário considerado fotógrafo pioneiro das fotografias a cores, por meio do processo inventado pelos irmãos Lumière.

Enquanto viajava por países “exóticos”, Kahn chegou até a Mongólia no referido ano. Ele encontrou a mulher em questão presa a uma caixa que eventualmente se tornaria seu túmulo.

Ela foi abandonada em uma região remota do deserto, condenada a morrer de fome em um processo lento e doloroso. Impedido de ajudá-la, uma vez que isso feria uma diretriz primordial de interferir em sistemas de leis e culturas de outro país, Kahn foi obrigado a deixá-la ansiando pela morte.

Sua fotografia foi publicada pela primeira vez em 1922, nas páginas da revista National Geographic sob a legenda: “Prisioneira da Mongólia em uma caixa”.

Embora tenham sido os editores da revista a assumir que a mulher teria sido condenada a morrer de fome como uma punição por adultério, muitas pessoas expressaram dúvidas sobre a história, ainda que a autenticidade da foto seja incontestável.

O “emparedamento”, como é chamado, foi uma forma de tortura muito usada durante o período do Império Romano. Trata-se de um método de prisão em que o condenado é colocado dentro de um espaço fechado e sem saídas, por vezes impossibilitado de sentar ereto ou deitar. Quando usado como meio de execução, o prisioneiro era deixado dentro de caixas ou caixões para morrer de fome ou desidratação.

Na Mongólia, o método foi praticado até o início do século XX, e não está claro se todas as pessoas emparedadas de fato morriam de fome.

Embora fossem proibidos de receber alimentos, como no caso da mulher da foto, eles eram autorizados a mendigar por ela. Isso, no entanto, apenas prolongava seu sofrimento, uma vez que as pequenas porções apenas faziam com que permanecessem por mais tempo vivos.

Até hoje, na Europa, há histórias de descobertas de corpos sepultados desta forma que remontam tempos medievais. Ainda, uma série de canções folclóricas atestam a prática como uma forma de sacrifício humano para remediar problemas ou conseguir força e dinheiro.

Fonte: ATII / Rare Historical Photos Foto: Reprodução / ATII

Jornal Ciência