Cientistas encontraram algo muito estranho sob a região vulcânica de Yellowstone, nos EUA

de Merelyn Cerqueira 0

Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Cientistas encontraram um pedaço maciço de rocha líquida e rica em carbono escondida sob centenas de quilômetros abaixo da Caldeira de Yellowstone, situada no Parque Nacional de mesmo nome, em Wyoming, EUA.

 

Com 1,8 milhão de metros quadrados de tamanho, a rocha líquida está borbulhando dentro da região superior do manto do Planeta. O material é essencialmente formado por carbonatos fundidos. E esse reservatório de carbono é tão grande que conseguiu mudar completamente a forma como os cientistas compreendiam o ciclo do carbono.

 

Segundo Saswata Hier-Majumder, professor de Geofísica na Royal Holloway e coautor do estudo sobre a descoberta, “liberar apenas 1% desse CO2 para atmosfera será equivalente à queima de 2,3 trilhões de barris de petróleo” – algo aproximadamente 325 vezes maior do que o consumo anual de petróleo nos EUA.

 

No entanto, embora este carbono lentamente seja liberado para a atmosfera por meio de erupções vulcânicas, não há necessidade de pânico, uma vez que teria um efeito pequeno em relação às taxas de mudanças climáticas que atualmente estamos experimentando. Em um artigo para o jornal Earth and Planetary Science Letters, a equipe de pesquisadores explicou como usou uma enorme rede de sensores sísmicos para capturar a existência do carbonado na região vulcânica subterrânea.

 

Como as ondas sísmicas viajam em diferentes velocidades e ângulos através de uma variedade de material, os pesquisadores conseguiram usá-las para determinar do que era feito o material presente no interior do planeta. Sob o oeste dos EUA há um enorme reservatório subterrâneo de carbonato líquido parcialmente fundido”, escreveram os pesquisadores. “Ele é resultado de uma das placas tectônicas do Oceano Pacífico forçando sob as ocidentais dos EUA, que sofreram fusão parcial graças a gases como CO2 e H2O contidos nos minerais dissolvidos nele”.

 

Em condições normais, quando uma placa tectônica é forçada sob outra, em algo conhecido como subducção, ocorre um processo muito complexo de derretimento de rochas por desidratação. Isso produz grandes volumes de magma gasoso, resultando em vulcões mais explosivos. O Monte Santa Helena, em Washington, é um exemplo primordial desse tipo de vulcanismo em zona de subducção.

 

Quando o magma rico em carbono chega à fase de erupção, tende a produzir uma lava de carbonatito incrivelmente fluida e “fria”. Vários vulcões do Rifte Africano Oriental exibem esse tipo de atividade eruptiva, resultando em paisagens surpreendentes.

[ IFL Science ] [ Fotos: Reprodução / Wikimedia ]

Jornal Ciência