Segundo pesquisa, apenas 8% dos brasileiros sabem se expressar plenamente

de Julia Moretto 0

De acordo com uma nova pesquisa, 8% dos brasileiros entre 15 e 64 anos conseguem se expressar e de compreender plenamente.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Isso significa que apenas uma pequena parcela da população tem domínio do português e da matemática.

Com base nas informações do estudo “Analfabetismo no Mundo do Trabalho”, uma parceria do Instituto Paulo Montenegro (IPM) e a ONG Ação Educativa, 27% da sociedade tem analfabetos funcionais nessa faixa etária.

so-8-dos-brasileiros-sabem-se-expressar-plenamente-1

A pesquisa que foi realizada para indicar os dados atualizados do Índice Nacional de Analfabetismo (Inaf), dividiu a população em cinco grupos: analfabeto, rudimentar, elementar, intermediário e proficiente.

Apenas 8% da população pôde ser considerada proficiente, capaz de criar diferentes tipos de textos, opinar sobre o posicionamento de algum pensador e interpretar tabelas e gráficos.

O correto seria que todos os estudantes que completam os doze anos do ensino médio, chegassem a esse nível. Porém, somente 9% dos concluintes o fizeram. 

Segundo a diretora executiva do IPM, Ana Lúcia Lima, esse problema reflete na economia do país.

“O Brasil não tem sido capaz de garantir oportunidades de acesso a uma educação de qualidade a todas as crianças e jovens e, em consequência, depara-se com limitações significativas na formação da população acima de 25 anos, principal força produtiva no País. Mesmo no caso da geração mais nova, entre de 15 a 24 anos, que tem mais escolaridade, é preciso avançar nos níveis de aprendizagem para fortalecer o desenvolvimento social e a produtividade e capacidade de inovação de nossa economia”, pontuou.

A pesquisa também mostrou que a maioria dos brasileiros (42%) se classificam no nível “Elementar”.

Eles são capazes de interpretar textos e números em certas condições, envolvendo apenas sua realidade doméstica e social. Eles também não são considerados analfabetos funcionais, porém não possuem a capacidade de se comunicar através da escrita. 

Para realizar o estudo, foram entrevistadas 2.002 pessoas entre 15 e 64 anos de idade, que moram nas zonas urbanas e rurais de todo o país.

 

 

Fonte: UOL Fotos: Reprodução / UOL

Jornal Ciência