Poliomielite: Paul Alexander, de 75 anos, é um dos últimos homens do mundo confinado em um “pulmão de ferro”

de Redação Jornal Ciência 0

Um homem texano apelidado de “Polio Paul” é uma das últimas pessoas no mundo que ainda tem um pulmão de ferro. Paul Alexander, de 75 anos, está em grande parte confinado à engenhoca desde que contraiu a doença extremamente perigosa há quase 7 décadas.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Os ventiladores — que foram inventados na década de 1920 — alinharam enfermarias de hospitais em meio a surtos de poliomielite que assolaram os EUA até a segunda metade do século passado.

Em 1959, mais de 1.200 americanos contavam com um pulmão de ferro para sobreviver, mas as máquinas gradualmente se tornaram menos comuns após a ampla distribuição da vacina contra a poliomielite. Em 1979, os EUA foram declarados livres da pólio e, em 2014, restavam apenas 10 americanos usando um pulmão de ferro.

Agora, de acordo com o jornal britânico The Guardian, Alexander é um dos 2 residentes dos EUA que continuam dependentes de um pulmão de ferro, e ele está ansioso para compartilhar sua história.

Alexander contraiu poliomielite em 1952, quando tinha 6 anos. Quando jovem, ele ficou paralisado da cintura para baixo e foi levado às pressas para o hospital e colocado em um pulmão de ferro, pois não era capaz de respirar.

O pulmão de ferro é uma cápsula hermética que suga oxigênio através de pressão negativa, permitindo que os pulmões se expandam e o paciente respire. A engenhoca é grande e incômoda e exige que a pessoa que a usa fique presa no interior durante a operação.

Dada a paralisia de Alexander e sua dependência da máquina volumosa, os médicos diminuíram suas expectativas para seu futuro — mas o “Polio Paul” não estava prestes a se render.  Alexander, que afirma que “odiava apenas assistir TV” o dia todo, começou a estudar e se formou no ensino médio com honraria. Logo, se formou advogado.

Alexander está confinado à engenhoca 24 horas por dia, 7 dias por semana. Ele precisa de cuidados 24 horas por dia em uma instalação em Dallas.

Apesar das dificuldades, o corajoso texano publicou no ano passado sua primeira biografia, intitulada “Three Minutes for a Dog: My Life in an Iron Lung”, (“Três Minutos para um Cão: Minha Vida em um Pulmão de Ferro”), em tradução livre. Ele levou 5 anos para concluir o trabalho, escrevendo cada palavra do livro com uma caneta presa a um bastão na boca.

O número de pessoas em pulmões de ferro continua a diminuir em todo o mundo. Em 2018, a mulher do Missouri, Mona Randolph, foi retratada pelo The Post sobre os anos que passou confiando na máquina. Ela morreu no ano seguinte, aos 82 anos.

Mas Alexander espera continuar por muitos anos ainda — inspirando outros com sua história. “Eu queria realizar as coisas que me disseram que eu não poderia realizar e alcançar os sonhos que sonhei”, concluiu.

A poliomielite é extremamente contagiosa causada pelo poliovírus que infecta tanto crianças como adultos. Em casos avançados, pode gerar paralisia dos membros inferiores. A vacina é a única possibilidade de prevenir a doença, sendo indicada para todas as crianças menores de 5 anos.

É transmitida por contato direto com secreções eliminadas pela boca das pessoas doentes ou contato direto com fezes, podendo provocar ou não paralisia. Em casos graves, os músculos superiores são paralisados e a pessoa precisa de ajuda mecânica para respirar pelo resto da vida.

O Brasil é livre da poliomielite selvagem desde 1990 após intensa campanha de vacinação. Poliomielite e paralisia infantil são a mesma coisa. A vacinação é a única forma de prevenção. Todas as crianças menores de cinco anos devem ser vacinadas conforme esquema de vacinação de rotina e na campanha nacional anual.

Fonte(s): New York Post / Fiocruz Imagens: Reprodução / New York Post

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência