Pesquisadores dizem que o clima pode ser o responsável pela forma do seu nariz

de Julia Moretto 0

Uma nova pesquisa tem associado a largura das narinas com o clima. Isso porque a forma do seu nariz é o resultado de evolução.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

As formas do nariz são fáceis de distinguir no reino animal, o tamanho e a largura são as responsáveis pelo condicionamento da temperatura do ar e o teor de umidade, pela forma com que ele passa em nossos pulmões. 

Mas um estudo de 2016 discordou, dizendo que nosso formato de nariz era provavelmente uma característica aleatória causada por mudanças no resto do rosto humano.

Uma equipe internacional de antropólogos comparou as características como a distância entre narinas e as condições da atmosfera, incluindo temperatura, umidade relativa e umidade absoluta. 

Embora estudos semelhantes tenham sido feitos anteriormente, esta é a primeira vez que os rostos de seres humanos vivos foram medidos para investigar se há uma relação entre o clima que nos adaptamos e a forma do nosso nariz.

“Muitas pessoas testaram a questão com medições do crânio, mas ninguém tinha feito medições em pessoas vivas”, disse o pesquisador Mark Shriver da Universidade Estadual da Pensilvânia. 

É possível que a variedade que vemos nos tamanhos e formas do nariz possa ser simplesmente a causa da deriva genética – a mudança na frequência de certos genes em pequenos grupos devido a mortes e migrações aleatórias. Assim, os pesquisadores examinaram os rostos de 476 voluntários que relataram ser de quatro locais geográficos: África Ocidental, Ásia Oriental, Sul da Ásia e Norte da Europa.

Usando os modelos 3D digitais, eles mediram as variações de características tais como a protrusão da ponta nasal, a largura de base da parte carnuda das narinas – denominada alar – e a largura das próprias narinas, aplicando um teste estatístico para determinar a probabilidade de deriva genética para cada característica. Isso deixou apenas duas características que parecem ter sido moldadas pela seleção natural entre as populações – a largura do alar e as narinas.

Características como a altura do nariz podem ter evoluído sob pressões seletivas dentro de cada população, mas não se separaram como grupos de pessoas movidas ao redor do globo. 

Em seguida, os pesquisadores notaram o local de nascimento dos pais de 140 mulheres no estudo e atribuíram aos voluntários um valor baseado nas condições climáticas da região, especificamente a temperatura e a umidade. 

Eles descobriram que a largura de suas narinas estava fortemente ligada à temperatura média do local e umidade absoluta, que é a quantidade total de vapor de água no ar sem ter em conta a temperatura.

Basicamente, o nariz mais largo tornou-se mais comum em áreas quentes e úmidas, enquanto nariz mais estreito se tornou mais prevalente em climas mais frios e secos.

“Tudo volta à Regra de Thompson”, disse Shriver, referindo-se ao anatomista britânico Arthur Thompson. 

Para todas as nossas diferenças, no entanto, o estudo mostra que quando se trata do nariz humano, todos temos muito mais em comum do que pensamos. A pesquisa foi publicada em PLOS Genetics.

Fonte: Science Alert Fotos: Reprodução / Science Alert 

Jornal Ciência