Orkut está de volta? Tudo o que você precisa saber sobre o possível retorno

Lembra-se do Orkut? O criador do que foi a rede social mais amada do Brasil reativou o site e promete “construir algo novo”

de Redação Jornal Ciência 0

O Orkut foi a rede social mais amada e popular do Brasil nos anos 2000 e parece pretender ter sua fatia do mercado, novamente.  

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Seu criador, que tem o nome quase impronunciável — o programador turco Orkut Büyükkökten — reativou o domínio www.orkut.com e deixou milhares de fãs na expectativa sobre a possibilidade de um retorno.

O site voltou a funcionar na última quarta-feira (27/04). Lá, Orkut Büyükkökten deixou um comunicado oficial assinado justificando a possível volta como um projeto, citando como motivação questões de privacidade e da polarização nas redes sociais. Leia abaixo:

“O mundo precisa de bondade agora mais do que nunca. Há tanto ódio online nos dias de hoje, e nossas opções para encontrar e construir conexões reais são poucas e distantes entre si. Sempre acreditei que uma amizade é mais do que um pedido de amizade, e dediquei minha vida a ajudar milhões de vocês a construir conexões autênticas com seus vizinhos, familiares, funcionários e os belos estranhos que entram em suas vidas”, diz o início do comunicado aos brasileiros.

“Nossas ferramentas online devem nos servir, não nos dividir. Eles devem proteger nossos dados, não vendê-los. Eles devem nos dar esperança, não medo e ansiedade. A melhor rede social é aquela que enriquece sua vida, mas não a manipula. Eu quero que você seja capaz de ser seu verdadeiro eu, on-line e off-line. Eu quero que você seja capaz de fazer conexões que grudem. Eu quero ajudá-lo a fazer isso com todo o meu coração”, prossegue a mensagem de Orkut Büyükkökten.

Ao final da mensagem, ele deixa claro que está trabalhando em um novo projeto sobre redes sociais, ficando implícito algo como “ressuscitar” o Orkut em novo formato.

“Eu sou um otimista. Acredito no poder da conexão para mudar o mundo. Acredito que o mundo é um lugar melhor quando nos conhecemos um pouco mais. É por isso que criei a primeira rede social do mundo quando era estudante de pós-graduação em Stanford. É por isso que eu trouxe o orkut.com para tantos de vocês ao redor do mundo. E é por isso que estou construindo algo novo. Vejo você em breve”, termina o comunicado.

Trajetória

O Orkut foi lançado em 2004 e tinha mais de 29 milhões de usuários ativos no Brasil, o que era considerado uma parcela considerável do país. Naquela época, a população tinha pouco acesso à internet porque prevalecia a necessidade de usar um computador para navegar.

A rede social não conseguiu fazer sucesso mundial, mas conquistou o coração dos brasileiros. O Orkut também foi popular na Índia, mas nada comparado ao que ocorria aqui no Brasil. Em 2008 foi comprado pela Google.

Em 2012, o Facebook desbancou o Orkut no Brasil, ultrapassando os 30 milhões de usuários, enquanto o Orkut desacelerou e parou de crescer.

A Google anunciou o fim do Orkut em 2014, alegando estratégias de mercado. Após o fechamento da rede social, segundo o jornal Nexo, a empresa devolveu o domínio orkut.com para seu criador, Orkut Büyükkökten.

O Orkut está de volta?

É cedo para dizer. A carta assinada aos fãs está em português, mas também em inglês. Ao que tudo indica, Orkut Büyükkökten pretende reacender os pontos fortes da extinta rede social em uma nova roupagem.

Antigamente, não existiam estudos claros sobre o impacto que as redes sociais tinham ou teriam em nossas vidas, especialmente com o crescimento do acesso à internet através do celular. Hoje, Büyükkökten talvez pegue esse conhecimento e tente moldar “as regras do jogo” de outra forma.

Mas, não está claro se um possível lançamento teria como foco apenas o Brasil, o país que um dia abraçou o Orkut, ou um lançamento mundial em várias línguas. Só nos resta esperar.

Imagens: Divulgação

Jornal Ciência