Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Cubano de 14 anos sofre com tumor de 4 kg no rosto que está lhe sufocando e causando fraturas no pescoço

de Merelyn Cerqueira 0

Emanuel Zayas, um menino cubano de 14 anos, nasceu com uma condição congênita que causou deformidades em suas pernas, braços e rosto. Há três anos, ele passou a lutar contra um tumor que vem crescendo e assumindo todo seu rosto.

Se continuar a crescer, o tumor, que já está com pouco mais de quatro quilos, poderá sufocar o garoto e fraturar seu pescoço. O menino foi enviado à Miami com um visto médico para que possa passar por uma cirurgia em janeiro, segundo informações do Daily Mail.

garoto-sofre-com-displasia

Zayas nasceu com Displasia Fibrosa Poliostótica, uma condição que provoca a substituição do osso medular pelo tecido fibroso, causando a expansão de diferentes áreas do corpo e enfraquecimento dos ossos envolvidos. No caso do menino cubano, a condição começou a se manifestar quando tinha apenas dois anos, curvando-lhe as pernas e, consequentemente, impedindo-o de aprender a caminhar.

Quando tinha 11 anos, o tumor de Zayas começou a ganhar tamanho a partir do nariz. Hoje, com 14, o tumor já está do tamanho de uma bola e gradualmente afetando a maneira como come, vê e fala, além de tê-lo deixado irreconhecível.

garoto-sofre-com-displasia_2

Embora se trate de um tumor benigno, ou seja, não cancerígeno, ele de fato ameaça à vida do garoto, uma vez que o crescimento gradual poderá sufocá-lo e fraturar seu pescoço.   

Os médicos em Cuba conseguiram controlar os sintomas até quando ele completou nove anos de idade, quando o crânio começou a se deformar. Nos últimos três anos, os pais procuraram desesperadamente por ajuda médica, tendo em vista que o tumor esta cobrindo o rosto do menino.

O caso então chegou ao conhecimento do Dr. Robert Marx, da Universidade de Miami, um dos poucos médicos especialista em operar tumores de grandes proporções e conhecido internacionalmente por cuidar de casos que fizeram manchetes em jornais de todo o mundo. Ele, junto a sua equipe, se propôs a cuidar do caso de Emanuel gratuitamente. Então, segundo o cirurgião, o menino passará por uma cirurgia para remover o tumor no próximo mês.

garoto-sofre-com-displasia_3

“Além de melhorar sua visão, vias aéreas e capacidade de comer, esperamos que a cirurgia lhe dê de volta uma identidade”, disse o médico ao Daily Mail. A cirurgia contará com uma equipe de quatro médicos, que precisão de cerca de 10 a 14 horas para remover a gigante massa.

De acordo com o médico, os riscos da operação são apenas dois: a criança corre o riso de sangrar até a morte ou ter as vias aéreas comprometidas.

No momento, Emanuel só pode respirar pela boca e, porque o processo de mastigação é muito complicado, está extremamente desnutrido. Ainda, o tumor é tão grande que bloqueia sua visão, permitindo-lhe olhar apenas para cima e lados.

garoto-sofre-com-displasia_4

Embora tenha conseguido ajuda gratuita para a primeira cirurgia, Emanuel ainda precisará de mais operações de acompanhamento para reconstrução do rosto. Logo, a família está pedindo ajuda através da Fundação Jackson Heath para arcar com as despesas.

As próximas cirurgias envolverão a retirada de osso do quadril para a reconstrução da região da maçã do rosto, maxilar superior e nariz. Ele também precisará de implantes dentários, uma vez que os dentes existentes serão removidos com o tumor.

“É verdadeiramente um milagre de Deus que suas fotografias tenham acabado nas mãos do Dr. Marx”, disse a mãe de Emanuel, Melvis Vizcaino. “Estou tão agradecida que ele tenha se disposto a aceitar o caso”.

O que é a Displasia Fibrosa Poliostótica?

De acordo com a Mayo Clinic, trata-se de distúrbio ósseo incomum em que o tecido cicatricial (fibroso) se desenvolve no lugar do osso normal. Este tecido irregular pode enfraquecer o osso afetado e causar deformações ou fraturas.

Não há cura para o transtorno. O tratamento pode incluir cirurgia para o alívio da dor e reparação ou estabilização dos ossos.

Normalmente, as pessoas que têm mais de um osso afetado desenvolvem sintomas antes dos 10 anos de idade. Estes incluem dor óssea, inchaço, deformidades, fraturas ósseas e curvatura dos ossos das pernas.

Fonte: Daily Mail Fotos: Reprodução / Daily Mail

Jornal Ciência