Síndrome de Paris: o transtorno mental causado pela visita à Cidade Luz

de Julia Moretto 0

sindrome-de-paris

Normalmente, os turistas visitam a capital francesa depois de serem alimentados com imagens de filmes de Hollywood, pinturas impressionistas e anúncios incríveis. Mas a verdade é que quando saem do avião, são recebidos por nuvens cinzentas, graffiti, motoristas de táxi rudes e crianças sem-teto. Como todas as cidades, Paris é um lugar de extremos. Para alguns, essa justaposição intensa é tão grave que pode resultar na “Síndrome de Paris”.

 

Este fenômeno só é relatado na capital francesa. Aparentemente, os visitantes – principalmente os japoneses – podem ter tonturas intensas, sudorese, aumento da frequência cardíaca, psicose, alucinações, despersonalização, desrealização e delírios de perseguição. Supostamente, é como uma forma vívida e exclusiva de choque cultural.

 

Isso certamente é intrigante, mas é verdadeiro?

Síndrome de Paris” já saiu em inúmeras manchetes e foi objeto de um estudo no jornal psiquiátrico francês Nervure em 2004 liderado pelo professor Hiroaki Ota, um psiquiatra japonês que trabalha na França. Entre 1988 e 2004, o estudo revelou que “63 pacientes japoneses foram hospitalizados em nosso departamento, ainda em condições agudas”. Os autores continuaram a apontar os fatores que eles acreditavam estar por trás desse cenário incomum. Mais simplesmente, é provável que o esgotamento dos voos de longa distância, a desaceleração e o excesso de trabalho nas viagens de negócios podem provocar estresse entre os visitantes.

sindrome-de-paris-1

O ambiente novo e desconhecido também pode atuar como estressor. Como mencionado, também é dito estar associado a uma decepção e antipatia no novo ambiente. Paris em um dia chuvoso pode parecer e se sentir muito diferente de filmes. Além disso, a barreira do idioma e a justaposição da cultura podem deixar os visitantes se sentindo isolados e desconcertados.

 

No que diz respeito à síndrome de Paris, é claro que algumas pessoas que viajaram longas distâncias podem não lidar particularmente bem com a própria viagem e com a mudança no ambiente cultural, social e físico”, Dr. Nicolas Geeraert, psicólogo da Universidade de Essex no Reino Unido, que realizou extensas pesquisas sobre choque cultural entre estudantes internacionais, disse à IFLScience. “Não é inconcebível que tal evento possa ser o gatilho ou o início de um transtorno mental latente previamente não detectado”.

No entanto, ele enfatizou: “Há uma nuance importante aqui. Eu sou cético de que a viagem causaria algum transtorno mental. Em vez disso, eu imagino que a viagem poderia ter sido a ‘última gota’ para os poucos indivíduos que sofreram da síndrome de Paris”.

sindrome-de-paris-2

Então, por que Paris, em particular, conseguiu essa reputação? Talvez porque a capital francesa é muitas vezes romantizada como um símbolo da cultura europeia ou porque a cidade faz parte dos clichês de uma metrópole ocidental arquetípica: rápida, fria, cinza, impessoal, independente e hostil aos turistas. O choque cultural e as expectativas são, portanto, especialmente aumentadas.

 

A noção de que estes são turistas japoneses em Paris não é trivial. O Japão e a França são culturalmente muito diferentes”, acrescentou Geeraert. “Há uma abundância de evidências de que a adaptação à vida no exterior torna-se mais difícil quando a ‘distância cultural’ entre o país de origem e o país de destino aumenta”.

 

Apesar das manchetes, parece que os turistas japoneses não sofrem com mais problemas de saúde mental comparado com qualquer outra nacionalidade. As estatísticas oficiais sobre este assunto são poucas e distantes, no entanto, como exemplo, estima-se que o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido gaste milhões a cada ano em visitantes estrangeiros que sofrem de quebras mentais em férias. O estudo de Hiroaki Ota documentou apenas 63 pessoas que relataram sofrer esses sintomas vagamente definidos em um espaço de 16 anos, e muitos tiveram problemas anteriores com saúde mental. Considerando que 600 mil turistas japoneses visitam Paris a cada ano, os números não são excessivamente significativos.

Talvez então, também haja um elemento de “viés de confirmação” por trás do fenômeno, especialmente quando a mídia o relata. Este é um viés cognitivo pelo qual tendemos a interpretar (ou ignorar) informações de forma a confirmar nossas crenças preexistentes.

 

É importante lembrar que viajar não é prejudicial, ao contrário, tem o poder de ampliar a mente e mudar a maneira como você entende o mundo.

[ IFL Science ] [ Foto: Reprodução / IFL Science ]