Estudo revoluciona ao descobrir que besouros praticam sexo oral antes da cópula

de Redação Jornal Ciência 0

A reprodução é uma força motriz que motiva animais de todas as esferas da vida a se envolverem em comportamentos que aumentam sua probabilidade de transmitir suas informações genéticas.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Embora as preliminares possam não ser algo que vem à mente quando se pensa no sexo dos insetos, você pode se surpreender ao saber que até mesmo os besouros são capazes de dar um pouco de prazer íntimo antes de iniciar sua procriação.

Sim você não leu errado. Os besouros podem estar por aí fazendo sexo oral uns aos outros enquanto você lê isto. Nomeadamente, o escaravelho-escuro-do-deserto, da espécie Platyope mongolica, foi descrito pela primeira vez em 1835.

Um novo artigo publicado na revista Ecology and Evolution dá vários relatos fumegantes de como os machos da espécie melhoram suas chances de acasalamento, estimulando os órgãos genitais das fêmeas com suas peças bucais. Algo que não é comum entre os invertebrados.

Os pesquisadores começaram pesquisar profundamente o sexo do besouro indo a campo para observá-lo. Longe de ser um simples exercício de voyeurismo, a pesquisa esperava colher novos insights sobre o significado evolutivo do comportamento sexual oral em insetos, o que pode ter ramificações mais amplas no estudo da seleção sexual e da evolução em geral.

A temporada sexual para os escaravelhos começa no início de maio, onde saem da vegetação rasteira em plena luz do dia em busca de um companheiro. Parceiros em potencial são fáceis de detectar, pois os machos começarão a perseguir as fêmeas.

No início, ela resistirá, mas se estiver de bom humor, a fêmea fará uma pausa, permitindo que o macho a alcance.

Aqui, os pesquisadores observaram que os machos fazem seu primeiro contato com os órgãos genitais da fêmea. Múltiplas observações revelaram que o ciclo completo de acasalamento consistia em quatro etapas: busca, contato sexual oral, montagem e então — o grande final — cópula.

Curiosamente, o macho está sob pressão pois os estudos mostraram que se a fêmea não ficar impressionada com o desempenho do macho no sexo oral, irá abandoná-lo e seguirá em frente.

Isso foi observado várias vezes enquanto os machos esfregavam as partes da boca no órgão da fêmea. Ela tem o hábito de parar e continuar andando várias vezes, para que o macho repita o sexo oral, antes de finalmente chegar a última etapa que seria a cópula.

“Esta é a primeira vez que o comportamento sexual oral pré-copulador no besouro-escuro-do-deserto é relatado”, escreveram os autores do estudo.

“Investigamos o papel desse comportamento sexual oral na cópula. Os resultados sugerem que o contato sexual oral pré-copulatório, desempenha um papel importante na cópula”.

Os resultados demonstram que mesmo em criaturas tão pequenas quanto besouros, um pouco de preliminares pode ter um grande impacto na tolerância e no sucesso da cópula e, consequentemente, da reprodução.  

Fonte(s): IFLScience Imagens: Reprodução / IFLScience

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência