Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Unha encravada: algumas pessoas amam estes vídeos de procedimentos podológicos

de Otto Valverde 0

Certamente você já teve alguma unha encravada ou já conheceu alguém que enfrentou o problema. Muitos sabem que não é nada fácil e a dor, além de ser insuportável, pode desencadear uma infecção grave. 

Dizemos que a unha está encravada quando ela, ao crescer em seu ritmo normal, penetra os tecidos ao redor dela e do dedo. 

É como se a unha, literalmente, funcionasse como uma lâmina que vai adentrando os tecidos e gerando ali um processo inflamatório, juntamente com bactérias e fungos que vivem na região dos dedos. 

Por questões anatômicas, os dedos dos pés são os que possuem maior propensão de encravar – embora o dedão, especificamente, parece ser o mais afetado na grande maioria dos casos, por ter uma maior área e por também acumular uma maior quantidade de fungos. 

Uma unha pode ficar encravada por vários motivos: pancadas, uso de calçados muito apertados, corte incorreto da unha de forma muito rente aos cantos e, mais raramente, infecções bacterianas. 

Clinicamente, a unha encravada é chamada de onicocriptose bilateral e, além do dermatologista que fica encarregado de cuidar do paciente que precisa de antibióticos e antifúngicos quando necessário, existe outro profissional responsável por cuidar da parte “física”: o podólogo!

Surpreendentemente, os vídeos de cuidados com unhas encravadas fazem um sucesso gigantesco nas redes sociais, especialmente o YouTube. 

Ao que tudo indica, as pessoas têm uma espécie de “amor” em ver as unhas sendo desencravadas, somado a um misto de agonia e desespero.

Abaixo, um vídeo onde um caso muito grave foi tratado por um profissional especializado em podologia. Confira:

Jornal Ciência