Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Usar fio dental de maneira errada pode prejudicar a saúde bucal, segundo especialista

de Bruno Rizzato 0

Quase todos os dentistas recomendam o uso de fio dental para auxiliar na higiene bucal. Mesmo assim, acredita-se que menos de um quinto das pessoas realmente realize a prática regularmente.

Agora, um dos principais especialistas de saúde bucal do mundo advertiu que o uso indevido do fio dental pode realmente fazer mais mal do que bem. Robin Seymour, professor emérito de Odontologia da Universidade de Newcastle, na Inglaterra, e periodontologista, explica os motivos pelos quais isso acontece e sugere formas mais fáceis de higienizar os dentes.

O fio dental ajuda a proteger a saúde dental por se livrar de pedaços de alimentos e placa bacteriana presentes entre os dentes. Quando esses pedaços apodrecem nos dentes, podem irritar a gengiva, causar inflamação e, em última análise, doenças dentárias.

Seymour garante que usar o fio dental corretamente é uma maneira fantástica de se livrar da placa bacteriana, mas requer um alto nível de destreza manipular o fio dental, especialmente na parte traseira da boca. Segundo ele, a grande maioria das pessoas simplesmente não tem esse grau de habilidade, e em vez de remover a placa, simplesmente a empurra para baixo das gengivas, piorando a situação. Outro erro comum, segundo ele, é usar um movimento de corte para arrastar o fio dental. Isso não remove a placa de forma eficaz e pode traumatizar as gengivas.

O outro grande problema com uso de fio dental é a quantidade de vezes que ele é utilizado. Apenas cerca de 17 por cento dos adultos realizam a prática regularmente, de três ou quatro vezes por semana. Destes, a maioria não está fazendo da maneira correta. Segundo Seymour, como o uso é difícil, o ideal é escovar os dentes cuidadosamente, de preferência com uma escova elétrica.

Após isso, o ideal é usar um espaço intermediário ou uma escova interdental para limpar entre os dentes e terminar com um enxaguante bucal sem álcool. Antissépticos bucais demonstraram ser benéficos para a limpeza entre os dentes. Eles exigem pouca instrução e possuem a vantagem de serem muito mais fáceis de usar do que o fio dental”, disse ele, alegando que o flúor do produto funciona como protetor, ainda por cima.

O especialista, porém, recomenda que o antisséptico utilizado não contenha álcool, pois pode aumentar o risco de câncer bucal. “Procure por um antisséptico bucal que contenha cloreto de cetilpiridínio, ou CPC. Ele liga-se a proteínas na boca e cria um revestimento protetor que pode trabalhar por até 12 horas. Há cerca de 500 tipos diferentes de bactérias na boca e alguns são mais sensíveis a certos agentes antibacterianos”, explicou ele.

Outra vantagem de antissépticos bucais é que eles deixam marcas dos detritos e da placa bacteriana, por isso, quando você cospe o conteúdo do bochecho, é possível ver claramente o que foi removido. Isso incentiva uma melhor escovação, mostrando o quanto de placa foi perdida, fornecendo a garantia de sua remoção.

[ Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / Clínica Dental Care ]

Jornal Ciência