Tilikum, orca do SeaWorld, morre em cativeiro, trazendo debate ecológico à tona

de Julia Moretto 0

Em 6 de janeiro, a orca Tilikum, de cerca de 35 anos, morreu na Flórida, cercada por cuidadores e veterinários, de acordo com um anúncio publicado por seu proprietário.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Tilikum era, de fato, uma celebridade. O animal era famoso no famoso parque temático SeaWorld, em Orlando. Ele também foi o tema de renome mundial de um documentário premiado, “Blackfish”.

tilikum-orca_02

O filme mostrou que a orca era uma criatura altamente inteligente e emocionalmente sensível, condenada a uma existência desesperadora em cativeiro. Tilikum foi, literalmente, um assassino, estando evolvido na morte de três pessoas.

A orca é uma das espécies mais inteligentes da Terra. Altamente sociais e sensíveis, são capazes de realizar uma comunicação complexa e experimentar todas as emoções humanas – incluindo o luto. A sociedade das orcas é inteiramente matriarcal, e as fêmeas podem viver até os 100 anos de idade. Os machos ficam com suas mães toda a vida e se um filhote morre, elas choram por semanas, mantendo seu corpo enquanto nadam por centenas de quilômetros. Eles também são predadores extremamente hábeis, vivendo em conjunto pelos oceanos. 

Tilikum foi capturado na Islândia em 1983 e inicialmente foi mantido em um tanque em Reykjavik. Em 1984, Tilikum foi levado para Sealand, na Ilha de Vancouver, no Canadá, juntamente com duas fêmeas, Haida e Nootka. Sua “taxa de transferência” foi de US $ 1 milhão. Tilikum, entretanto, era violentamente intimidado pelas fêmeas. 

Em 20 de fevereiro de 1991, uma das treinadoras da Sealand, Keltie Byrne, uma estudante de biologia marinha de 20 anos, caiu na piscina. A orca arrastou a menina e impediu que ela pudesse ser salva. O papel de Tilikum em seu afogamento não o impediu de ser vendido para o SeaWorld em Orlando no ano seguinte.

Oito anos mais tarde, em 7 de julho de 1999, um jovem chamado Daniel Dukes invadiu o parque e entrou no tanque de orcas. Seu corpo foi encontrado na manhã seguinte, sobre as costas de Tilikum. A autópsia indicou que ele havia se afogado, mas seus genitais também tinham marcas de dentes.

Em 24 de fevereiro de 2010, a treinadora altamente experiente de Tilikum, Dawn Brancheau – uma mulher de 40 anos que trabalhava no Seaworld há 15 – estava se dirigindo ao público durante um show ao vivo.

tilikum-orca_03

De repente, a orca surgiu da água e a agarrou pelo cabelo, arrastando-a para o fundo da piscina. Dawn morreu afogada.

tilikum-orca_04

Apesar dessas mortes, um ano depois, Tilikum voltou a se apresentar, mas com algumas precauções. Treinadores já não nadavam com ele e foram solicitados a manter distância do animal.

Nos últimos cinco anos de sua vida, Tilikum ficou mal de saúde, sofrendo com uma infecção pulmonar que se mostrou resistente ao tratamento. Quando ele finalmente morreu, no início deste mês, surgiu um debate sobre o tratamento dessas criaturas. Podemos chamá-los de orcas, mas não há um registro de uma orca matando um ser humano em estado selvagem. No entanto, em cativeiro – muitas vezes em confinamento solitário – Tilikum tinha se transformado, ao que parece, em um animal psicótico.

O comércio moderno de orcas começou em 1965, quando uma orca acidentalmente foi pega em redes de pesca em Namu, na Colúmbia Britânica. O aquário marinho de Seattle comprou o animal por $ 8.000 (cerca de R$ 25.600). Ela foi enviada para o sul, e os biólogos marinhos ficaram surpresos ao descobrir que o resto da família da orca jovem – liderada por sua mãe – estava seguindo o transporte, na tentativa de recuperá-la.

Desde então, cerca de 200 orcas morreram em cativeiro, e Tilikum poderia ter sido apenas mais uma dessas estatísticas. O número de visitantes ao SeaWorld na Flórida, Califórnia e Texas diminuiu depois que denúncias foram realizadas. O valor da empresa caiu 33% e perdeu US$ 10 milhões em lucros. Como o SeaWorld não coletou uma orca da natureza em quase quatro décadas, esta será a última geração de orcas sob cuidado do SeaWorld“, prometeu o CEO do parque, Joel Manby.

E não há um final feliz para as mais de 20 orcas nos três parques do SeaWorld. Ativistas dos direitos dos animais estão pedindo para que elas sejam autorizadas a ir para viveiros contidos em desertos marinhos. Porém, o SeaWorld não concorda, e continuará a usá-las em shows ao vivo.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência