Saiba por que você nunca vê filhotes de pombos

de Julia Moretto 0

Quem mora em regiões metropolitanas certamente já reparou o grande número de pombos adultos. Muitas pessoas não sabem, mas os pombos foram trazidos pelos europeus como animais de estimação.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Na Europa, eles eram criados para diferentes funções, como correio. Porém, os donos acabaram perdendo o interesse nestes animais e alguns acabaram soltos. Mas a grande questão é: onde estão os filhotes de pombo?

A verdade é que por mais adaptadas que as pombas estejam ao nosso dia a dia, elas ainda preferem manter a família em segurança, principalmente na reprodução.

filhote-de-pombo_1

De acordo com especialistas, este comportamento foi herdado se seus ancestrais. O pombo da espécie Columba livia, considerado doméstico, que vive nas grandes cidades, descende do pombo-comum (ou pombo-das-rochas).

Mesmo com sua independência, os pombos preferem montar seus ninhos em lugares discretos.

“Em seu estado natural e selvagem, esse animal vive nos rochedos mais altos próximos ao mar, vivendo em pequenas cavernas a maior parte do ano”, contou o zoólogo William Yarrell no livro “History of British Birds”. Por isso, eles mantêm o ninho no local mais escondido possível.

Atualmente, com a falta de penhascos e cavernas, os pombos precisam adaptar o seu local de segurança. Nas grandes cidades, os ninhos podem ser observados em torres de igrejas, prédios abandonados ou pontes. 

filhote-de-pombo_2

Curiosamente, os pombos não deixam que seus filhotes saiam dos ninhos até poderem se virar sozinhos. Dessa forma, eles permanecem no ninho por 40 dias, sendo alimentados pelos seus pais. Esse tempo pode parecer pouco para nós, porém é suficiente para que um jovem pombo se torne adulto.

Mas, como diferenciar um pombo jovem de um pombo velho? O segredo é que os pombos jovens ainda não têm tiras verdes e roxas no pescoço.

Fonte: Diário de Biologia Foto: Reprodução / Diário de Biologia

Jornal Ciência