Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Qual é o segredo para ser bom em matemática? Parece que esta é a resposta definitiva!

de Rafael Fernandes 0

Existe uma crença de que os asiáticos são bons em matemática por natureza. Países asiáticos como Singapura e Japão, levam seus alunos à primeira e segunda posição no desempenho de matemática no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), enquanto a Austrália costuma ficar em 12º.

Como a matemática é ensinada às crianças no Japão?

Desde de 7 ou 8 anos, as crianças japonesas aprendem o jingle kuku. “Ku” é a palavra japonesa para “nove”, e o título reflete a linha final do jingle, que é simplesmente “nove nove (é) 81“. As crianças aprendem o jingle e devem recitá-lo rapidamente em sala de aula e em casa.

Além disso, competições locais colocam os quartanistas em disputa, para ver quão rápido eles podem bater todas as 81 linhas do kuku. Isso faz com que a constante associação entre o problema e a resposta correta permita que a criança saiba a solução para o problema logo ao vê-lo.

Como o escritor de ciência popular, Alex Bellos observou, os adultos japoneses sabem que 7×7 = 49, não por se lembrarem da matemática envolvida, mas por que a música de “sete sete é quarenta e nove” rima bem em japonês.

Algumas crianças japonesas também participam de programas de matemática depois da escola. Cerca de 20.000 escolas operam de forma independente em todo o Japão. Assim, os alunos começam a aprender como usar um ábaco para executar cálculos aritméticos para, em seguida, usarem apenas o ábaco mental, simplesmente imaginando o movimento das esferas.

Crianças na escola de ábaco dedicam de uma a duas horas em duas a quatro noites por semana para praticar exercícios aritméticos em alta velocidade. Além, claro, das quatro aulas obrigatórias semanais de matemática de 45 minutos cada. Depois de um par de anos na escola, os melhores alunos podem multiplicar números de sete e oito dígitos em sua cabeça mais rápido do que crianças australianas podem encontrar a solução para 7×8.

Por que escolas australianas são contra esse sistema de aprendizagem?

Apesar do impressionante desempenho das crianças japonesas, a abordagem utilizada pelas escolas de ábaco é ridicularizada em países como a Austrália, onde educadores desencorajam expressamente a prática. Em Victoria, as escolas foram recentemente recomendadas a jogar fora livros e planilhas antigas, e os professores foram desencorajados de ensinar fórmulas matemáticas.

Essas recomendações seguem as ideias do psicólogo americano Jerome Bruner, que argumenta que a aprendizagem é mais eficaz quando as crianças descobrem ativamente os conceitos. Desde então, os métodos de aprendizagem mecânicos em que crianças passam a maior parte do seu tempo memorizando e usando fórmulas, são vistos como uma maneira que impossibilita uma compreensão profunda da matemática.

No entanto, uma pesquisa sugere que a memorização e aprendizagem mecânicas permanecem como importantes técnicas em sala de aula. Segundo o psicólogo Daniel Willingham, as crianças não podem apreciar a relação entre os conceitos matemáticos enquanto todos os seus recursos mentais são usados ​​para executar operações aritméticas simples.

Conforme os problemas se tornam mais difíceis, a prática e a aprendizagem mecânicas são essenciais para acelerar algumas operações, a fim de se tornarem automáticas. Isso permite que a criança dedique mais de seus recursos para uma compreensão superior.

Mas, infelizmente, a prática repetitiva não é sempre divertida. Uma razão de educadores coibirem técnicas mecânicas de aprendizagem é por que elas não fazem as crianças sentirem-se motivadas e encorajadas.

matematica_asiatico

A unidade para ter sucesso

As crianças japonesas na escola de ábaco desfrutam de realizar cálculos em alta velocidade. Muitos tratam cálculo mental como um esporte e participam de várias competições locais, regionais e nacionais – o comportamento não é exclusivo dos rapazes. O que contrasta com a realidade australiana, na qual a competição tem sido gradativamente desestimulada.      

Na Liga Desportiva Júnior de Futebol, por exemplo, crianças com menos de 10 anos podem jogar futebol sem pontos, sem placares, sem concessões e sem reconhecimento do desempenho individual. A remoção destas metas objetivas de desempenho deixa as crianças sem motivos para competir.

Quando a paixão gera talento

Estrelas não nascem, são formadas. Outro estudo mostra que são necessárias, pelo menos, 10.000 horas de treinamento intenso para se tornar especialista em uma área. Estudantes excelentes em matemática sustentam essas horas pois eles são motivados a superar expectativas.

Métodos baseados na descoberta matemática podem ser mais agradáveis, mas também são menos eficazes na produção de desempenho rápido e preciso em um nível de elite.

Na China, o programa/jogo de televisão Super Cérebro atraiu 22 milhões de espectadores em março do ano passado, com competidores lutando na resolução de problemas aritméticos cada vez mais complexos.

Assim, dado o sucesso do Great Australian Spelling Bee ter gerado interesse na ortografia, talvez, no momento, seja necessário um Great Australian Times Tables para motivar as crianças australianas a alcançar os mesmos níveis de desempenho aritmético que as asiáticas.

[ IFLS ] [ Foto: Reprodução / Wikipédia / Wikipédia ]

Jornal Ciência