Por que as pessoas ficam carecas? Entenda o que são as células capilares “confusas”


de Merelyn Cerqueira 0

Se o seu cabelo está caindo ou está ficando cada vez mais fino, saiba que as células-tronco “confusas” podem ser as verdadeiras culpadas.

Elas ficam nos folículos capilares até que sejam necessárias para uma reparação, mas conforme envelhecemos, nosso DNA acaba acumulando uma série de erros que pode levar à perda de colágeno. Essa destruição do colágeno faz com que as células de reparo se liguem às células da pele, em consequência disso, os folículos vão encolhendo gradualmente até que se tornem parte do couro cabeludo.

Segundo um estudo publicado pela revista Science, ao contrário de outras células-tronco do organismo, as do couro cabeludo se regeneram regularmente. Elas têm um pico de crescimento seguido por uma fase tranquila, em que as células param de produzir cabelo. Os cientistas estudaram o ciclo de regeneração em ratos idosos e descobriram que conforme as células envelhecem, o desgaste leva a erros que se acumulam no DNA. Esse dano relacionado à idade, que afeta a todos nós, destrói uma proteína específica de colágeno chamada colágeno 17A1.

Conforme o colágeno é destruído, um sinal é enviado para as células estaminais, causando a mudança na faixa de desenvolvimento. Sendo assim, ao invés de provocar o amadurecimento das células foliculares produtoras de cabelo, elas amadurecem em células epiteliais chamadas de queratinócitos epidérmicos. Em seguida, essas novas células se movem para fora do couro cabeludo, onde são eliminadas no volume normal de pele. As células não são substituídas e isso faz com que o folículo capilar encolha até que finalmente desapareça na pele ao redor da cabeça.

celulas-tronco-confusas-cabelo
Como o colágeno é destruído, isso induz as células-tronco a amadurecer em células da pele, chamadas queratinócitos epidérmicos. Estas novas células, em seguida, movem-se para fora do folículo. Eventualmente, o folículo se encolhe até desaparecer, como exemplificado na imagem acima.

Para ver se esse mesmo sistema acontece com os seres humanos, a equipe de cientistas analisou o couro cabeludo de mulheres de 22 a 70 anos de idade. Nas que estavam acima dos 50, foram encontradas evidências de folículos capilares menores e com níveis mais baixos da proteína de colágeno. Segundo Emi Nishimura, principal autora do estudo e pesquisadora na Universidade Médica e Odontológica de Tóquio, os resultados obtidos no estudo assumem que processos de envelhecimento dos ratos sejam similares ao desgaste e perda de cabelos em humanos.

Já em um segundo estudo publicado na mesma edição da revista Science, cientistas descobriam uma molécula chave de sinalização que pode fornecer uma pista sobre o ciclo celular do crescimento de cabelo. A proteína chamada Foxc1, foi encontrada para ser expressa por células capilares que ativam o crescimento de cabelo. Bloqueando o sinal dessa proteína em camundongos, os pesquisadores descobriram que as células-tronco ativas não retornaram ao seu estado tranquilo, o que indica que a Foxc1 é a chave para que as células voltem a se estabelecer mesmo depois do período de inatividade.

Ano passado os cientistas de Orlando, nos EUA, conseguiram dar um passo importante, ao desenvolver um tratamento usando células estaminais humanas para fazer fios de cabelo crescerem novamente. Na imagem, os fios cresceram na perna de um rato adulto.
Ano passado os cientistas de Orlando, nos EUA, conseguiram dar um passo importante, ao desenvolver um tratamento usando células estaminais humanas para fazer fios de cabelo crescerem novamente. Na imagem, os fios cresceram na perna de um rato adulto.

As células-tronco estão sendo estudadas como potencial cura para a calvície. Em 2015, pesquisadores em Orlando chegaram bem perto de um possível tratamento natural depois que conseguiram fazer pelos crescerem em um rato adulto utilizando células estaminais humanas. A descoberta foi possível após a conversão das células-troncos em células da papila dérmica, um tipo vital para a formação dos folículos.

[ Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / Daily Mail e Wikipédia ]

Jornal Ciência