O destino cruel da mulher que ousou identificar os dentes de Hitler em seus restos mortais

Käthe Heusermann era assistente do dentista do líder nazista e reconheceu os dentes de Hitler após sua morte, sem suspeitar que essa tarefa lhe traria uma punição severa por longos anos

de Redação Jornal Ciência 0

No final de abril de 1945, quando as tropas soviéticas entraram em Berlim com fogo e sangue, Adolf Hitler sabia com certeza que a Segunda Guerra Mundial havia acabado para a Alemanha. O sonho de conquistar o mundo com seu Terceiro Reich definitivamente se foi. Então, o líder nazista se trancou em um quarto no bunker da capital alemã, onde se refugiou e tirou a própria vida.

Poucos dias depois, em 5 de maio, as forças russas que haviam chegado ao prédio da Chancelaria Alemã sob o qual estava o refúgio do ditador encontraram, no jardim do local, os restos carbonizados de um homem que poderia ser Hitler.

Os russos estavam desesperados para saber se de fato tinham pela frente o que restava de seu pior inimigo, mas, devido à ação do fogo, o corpo encontrado estava irreconhecível. Então, ao observar que os dentes do cadáver estavam quase intactos, começaram a procurar quem o reconhecesse.

Käthe Heusermann era a assistente de Hugo Blaschke, dentista de Adolf Hitler, e para esse papel foi ela quem reconheceu os dentes do ditador alemão depois que ele se suicidou e seu corpo foi destruído pelo fogo

Foi assim que chegaram a Käthe Heusermann, assistente dentária do ditador nazista, que, ao observar os dentes e as próteses do corpo carbonizado, não hesitou um segundo e disse: “Estes são os dentes de Adolf Hitler”.

O que a mulher não sabia era que o reconhecimento que acabava de fazer, longe de lhe conferir um lugar importante na história contemporânea, lhe traria um destino de sofrimento que a perseguiria pelo resto da vida.

Assistente de dentista de Hitler

Käthe Heusermann, nascido em 1909 em Liegnitz — uma cidade alemã na época, mas hoje é polonesa — cresceu em uma família de classe média. Ela estava longe de imaginar o papel que a história reservava para ela quando, no início dos anos 1930, começou a trabalhar como assistente de um dentista judeu chamado Fedor Bruck, ainda em sua cidade chamado.

Com a ascensão do Partido Zazista ao poder, o dentista Fedor Bruck foi forçado a deixar a cidade de Liegnitz e fugir para Berlim. A assistente dentária Käthe também saiu da cidade, embora sua relação de trabalho com seu empregador tenha terminado. 

No início dos anos 1930, a assistente dentária Käthe Heusermann trabalhou com o dentista judeu Fedor Bruck.

Enquanto seu ex-chefe trabalhava para outros dentistas e depois se escondia para evitar ser deportado pelos nazistas para um campo de extermínio, a jovem conseguiu um emprego com outro profissional, Hugo Blaschke, que logo se tornaria dentista oficial de Hitler.

De 1937 até os últimos dias do monstruoso ditador, o dentista Blaschke e sua assistente Heusermann cuidaram de sua saúde bucal e também de sua companheira, Eva Braun. Os dentes de Hitler, constantemente danificados — sofriam de cáries e problemas gengivais — e com inúmeras peças falsas, exigiam atenção tão intensa que o dentista tinha seu próprio consultório no bunker subterrâneo onde o líder nazista havia se estabelecido desde janeiro de 1945.

Em todos esses anos, o dentista se familiarizou com cada detalhe dentário do monstruoso líder que, enquanto isso, lutava para conquistar o mundo e perpetrava o extermínio humano mais atroz do século XX. Até o dia do fim chegar.

Suicídio de Hitler

Em 30 de abril de 1945, quando os anfitriões do Exército Vermelho estavam a apenas 500 metros do prédio da Chancelaria, Hitler decidiu dar um fim à sua vida. Conforme noticiado pelo canal alemão DW, depois do meio-dia, o ditador se trancou em um quarto com Eva Braun (com quem havia se casado dois dias antes), os dois ingeriram um comprimido de cianeto e depois se injetaram.

Temendo que seu corpo sofresse o mesmo destino do ditador italiano Benito Mussolini, assassinado dias antes e depois pendurado de cabeça para baixo pela população em uma praça de Milão, Hitler havia deixado instruções para que seus restos mortais fossem, a seu modo, não tivessem aquele fim.

Eva Braun e Adolf Hitler cometeram suicídio em 30 de abril de 1945, e seus corpos foram queimados

Foi assim que ambos os corpos, de Hitler e de sua esposa Eva Braun foram retirados da sala, levados para fora do bunker, regados com intenso volume de gasolina e incendiados — prática que costuma acontecer em alguns países como ritual de cremação rústica.

Em 2 de maio, finalmente, os russos chegaram à chancelaria e tiveram acesso ao bunker de Hitler. Todo o espaço foi lacrado quase imediatamente e um grupo de homens da contraespionagem soviética, uma unidade conhecida como Smersh, dedicou-se exclusivamente a encontrar os restos mortais ou algum vestígio que lhes permitisse encontrar o paradeiro de Hitler.

Assim, no dia 5 de maio, esses agentes russos encontraram, meio enterrados em uma cratera causada por uma bomba no jardim da Chancelaria, os restos mortais de duas pessoas. Eles suspeitaram, com bons motivos, que os corpos carbonizados poderiam ser de Hitler e sua esposa. Como o que restava do corpo do principal genocídio nazista era irreconhecível, os soviéticos começaram a extrair seus dentes, que permaneceram intactos apesar das chamas.

Os restos do bunker de Adolf Hitler, onde ele cometeu suicídio no final de abril de 1945, antes de ser demolido

Tradutora soviética manteve os dentes de Hitler

Nesse momento, entra na história uma personagem que seria vital para, posteriormente, narrar os acontecimentos que levaram ao reconhecimento do ditador. É sobre Elena Rzhevskaya, uma militar russa que trabalhou como intérprete da língua alemã para seus companheiros do exército soviético.

A mulher, então com 25 anos, colaborou com os homens de Smersh na busca do corpo do ditador nazista interrogando os sobreviventes alemães do bunker, e mais tarde também ajudaria a encontrar a assistente dentária Käthe Heusermann. Mas antes disso, a jovem Elena recebeu uma missão inesperada: ser a portadora e guardiã dos dentes do genocida.

Elena recebeu os restos dentários do ditador em uma caixa forrada de cetim, semelhante àquela que poderia ser usada para transportar perfumes ou joias baratas.

Elena Rzhevskaya trabalhou como tradutora de alemão para as forças russas e foi ela quem fez contato com a dentista Käthe Heusermann

“Ela carregava a caixa debaixo do braço. Cheirava levemente a perfume. De repente, ela viu seu próprio reflexo em um grande espelho e pensou: Meu Deus, estou parada aqui segurando a única coisa que restou de Hitler em minhas mãos!”, disse Lyubov Summ, a neta de Rzhevskaya, em entrevista ao jornal The Times of Israel, em uma entrevista em 2017.

A neta da intérprete russa acrescentou que os superiores de sua avó lhe haviam confiado um material tão precioso porque temiam que os militares soviéticos acabassem bêbados — e se esquecessem de suas obrigações — nas celebrações em massa pela vitória contra os alemães. Eles renderam-se oficialmente em 7 de maio (embora o cessar-fogo final tenha ocorrido em 8 de maio).

Elena Rzhevskaya, que morreu em 2017 aos 97 anos, se tornaria escritora após a Segunda Guerra e registraria todos esses episódios no livro Memórias de um Intérprete de Guerra, publicado em russo em 1965 e em inglês apenas em 2018.

“Estes são os dentes de Adolf Hitler”

“Fiquei agoniada e oprimida por carregar isso comigo. Agora, a tarefa crucial era, a todo custo, encontrar o dentista de Hitler”, escreveu a tradutora em seu livro. Quando começaram a busca por alguém que pudesse analisar as peças que supostamente pertenceram ao líder nazista, os russos descobriram que seu dentista, Dr. Blaschke, havia fugido do bunker com outros nazistas.

Paradoxalmente, foi o dentista judeu Fedor Bruck, que havia sido chefe da assistente dentária Käthe Heusermann, quem disse aos soviéticos onde ela se encontrava e qual era sua casa. “Ela está em seu apartamento, ao lado de nossa casa”, disse o dentista.

A tradutora também soube naquela época que o dentista judeu Fedor Bruck havia se escondido dos nazistas por meses na casa de vários amigos em Berlim. E uma das pessoas que o acolheram em sua casa, mesmo correndo risco de perder a própria vida por ajudá-lo, foi justamente sua ex-funcionária, Käthe Heusermann. A mulher, que tinha 35 anos em 1945, dividia com seu antigo patrão as fartas rações de comida que lhe davam por fazer parte do ambiente de Hitler.

Antes de ver os dentes de Adolf Hitler, Käthe Heusermann desenhou cuidadosamente os dentes do ditador

“Heusermann era tudo menos um nazista”, afirmou a tradutora e escritora Rzhevskaya em seu livro anos depois. A intérprete russa passou a ter profunda empatia pela mulher para quem ela deveria traduzir seus relatos à época.

Quando os soviéticos finalmente encontraram a assistente de dentista, ela não teve problemas em cooperar. Ele conduziu os russos até a sala escondida dentro do bunker que era usado pelo dentista particular de Hitler, que foi preservada quase intacta, assim como as radiografias dentais do ditador. Em seguida, ele fez um esboço impecável no papel dos dentes do ditador, completo.

E quando a russa Elena Rzhevskaya finalmente abriu sua caixa forrada de cetim na frente de seus olhos, Käthe Heusermann reconheceu as peças de seu antigo paciente.

Käthe Heusermann com soldados russos, antes de enfrentar o destino cruel que o aguardava por reconhecer os dentes de Adolf Hitler

Anos depois, para a revista alemã Die Welt, a assistente do Dr. Blaschke (o dentista oficial de Hitler) relembrou aquele momento: “Peguei a ponte dentária na mão e procurei uma marca inconfundível. Eu encontrei imediatamente. Respirei fundo e deixei escapar: ‘Estes são os dentes de Adolf Hitler’. Fui regada com expressões de gratidão”.

Mais uma prova da autenticidade da dentadura

A afirmação da assistente dentária Käthe Heusermann sobre a autenticidade dos dentes de Hitler seria confirmada várias vezes mais tarde por outros cientistas. Uma dessas confirmações foi feita em 2018, quando um grupo de patologistas forenses da Universidade de Paris teve acesso às peças que ainda estão armazenadas em Moscou.

Os dentes de Adolf Hitler foram analisados ​​mais de uma vez por diferentes especialistas, e eles sempre concordaram que, de fato, pertenciam ao monstruoso líder nazista. Foto: European Journal of Internal Medicine

Os resultados dessas análises foram publicados no European Journal of Internal Medicine e os cientistas não deixaram dúvidas de que eram os restos dentários do ditador nazista. “Os dentes são autênticos, sem dúvida. Nosso estudo mostra que Hitler morreu em 1945”, disse o patologista Philippe Charlier à agência de notícias AFP.

Stalin concordou com a verdade

Mas, o trabalho de reconhecimento dos dentes de Hitler realizado pela dentista Käthe Heusermann, que deveria ter sido tomado como uma contribuição colossal para a história contemporânea, tornou-se uma condenação para ela. Por uma razão tão simples quanto difícil de entender: o líder soviético, Josef Stalin, não queria que ninguém soubesse da notícia da morte de Hitler.

Os historiadores ainda contestam o motivo dessa atitude de Stalin. “Se Hitler estivesse vivo, o nazismo ainda não havia sido derrotado e o mundo ainda estaria em perigo. Para ele (Stalin) esse conceito foi taticamente importante para as discussões que estavam surgindo no mundo do pós-guerra”, escreveu a tradutora Rzhevskaya em seu livro e acrescentou: “Stalin sentou-se na verdade”.

Segundo os historiadores, Stalin tinha grande interesse em saber o destino de Hitler, mas, uma vez que soube, manteve o segredo. Foto: Reprodução / Flickr

O historiador britânico Antony Beevor, autor do livro The Fal of Berlin 1945, por sua vez, cristalizou sua hipótese em entrevista à BBC: “A estratégia de Stalin, evidentemente, era associar o Ocidente ao nazismo e fazer parecer que os britânicos ou os norte-americanos deveriam estar escondendo isso”.

A verdade é que, sob a influência onipresente de Stalin, os agentes da inteligência soviética lançaram o que foi chamado de “operação do mito”, a campanha de desinformação sobre o destino de Hitler que dava a entender que o ditador alemão havia conseguido escapar em um submarino japonês e acabado levando refúgio em alguma parte remota da Argentina. Uma crença que não perdeu sua validade até hoje.

O destino tempestuoso da dentista Käthe Heusermann

Mas quando se trata de instalar uma mentira, aqueles que carregam a verdade muitas vezes correm riscos. Assim, para a assistente dentária Käthe Heusermann, iniciou-se um tormento de confinamento e sofrimento que obviamente ela não merecia. A assistente foi presa e transferida para a Rússia. Enquanto aguardava-se a condenação ou absolvição, ela passou 6 meses na prisão de Lubyanka em Moscou, e depois 6 anos em confinamento solitário na prisão em Lefortovo, também localizada na capital russa.

A história de Käthe Heusermann foi revivida no livro da intérprete, tradutora e escritora russa Elena Rzhevskaya em seu livro

Somente em novembro de 1951, por resolução do Conselho Especial do Ministério do Interior, a mulher foi condenada “como testemunha da morte de Hitler” (algo que deveria ser mantido em segredo) a passou os próximos 10 anos em um Gulag (campo de concentração soviético) no sudeste da Sibéria.

Além disso, na sentença, disseram-lhe que, ao ajudar a consertar os dentes do ditador alemão, ela havia contribuído para a continuação da guerra. Ele deveria ter batido nele com uma garrafa na cabeça e o matado, foi o que argumentaram, segundo o depoimento dado pela neta da tradutora Elena Rzhevskaya (escritora do livro citado acima) na entrevista dada ao The Times of Israel.

Um mês depois de receber sua sentença, a mulher que havia reconhecido os dentes do principal genocida nazista foi enviada em um vagão de gado para Taishet, na Sibéria, a 4.500 quilômetros de Moscou. Embora sua punição tenha sido em um local de trabalho forçado, os seis anos de confinamento enfraqueceram a dentista Heusermann a tal ponto que ela mal conseguia se mover.

A assistente dentária Käthe Heusermann foi acusada de ter permitido que a guerra continuasse cuidando dos dentes de Hitler; disseram que ela deveria ter acertado e matado o líder nazista “com uma garrafa na cabeça”

E como ela não realizava tarefas, a pobre mulher condenada ao Gulag recebia pouquíssima comida. Ela foi capaz de salvar sua frágil existência graças à generosidade de um prisioneiro judeu dos Cárpatos que compartilhou sua ração de comida, segundo o que a revista da comunidade judaica estadunidense chamada Tablet apurou.

O triste regresso para casa

Com a morte de Stalin, em 1955, a Alemanha negociou com a Rússia o retorno dos prisioneiros alemães detidos na antiga União Soviética. Dessa forma, naquele ano, a assistente dentária Käthe Heusermann, de 45 anos, absurdamente magra e fragilidade, pôde retornar para a Alemanha. Ela então descobriu que seus parentes a haviam dado como morta e que seu noivo havia se casado alguns anos antes de seu retorno e começado uma nova família.

A escritora e tradutora Elena Rzhevskaya lamentou profundamente em seu livro o destino que a dentista Käthe Heusermann teve após identificar os dentes de Adolf Hitler

O pouco que se sabe sobre a vida da dentista Heusermann depois disso indica que ele se mudou para Düsseldorf, no oeste da Alemanha, e continuou a trabalhar na odontologia. Em meados da década de 1960, ela testemunhou em tribunais alemães que havia identificado os dentes de Hitler.

Em 1995, aos 85 anos, a dentista Käthe Heusermann faleceu na cidade de Düsseldorf, onde viveu seus últimos anos. Elena Rzhevskaya, a tradutora que dedicou várias páginas de seu livro à reconstrução da história da auxiliar do Dr. Blaschke (dentista de Hitler), escreveu sobre ela:

“Se não tivéssemos encontrado Käthe, assim como Stalin queria, Hitler teria permanecido um mito e um mistério. Mas a que sofrimento nós, sem saber, condenamos Käthe Heusermann por isso!”.

Os relatos mostram que a assistente dentária Käthe Heusermann, que tentou ajudar identificando os dentes de Hitler por já ter trabalhado em suas próteses, pagou um preço altíssimo por simplesmente dizer a verdade.

Fonte(s): La Nacion Imagens: Reprodução / La Nacion

Jornal Ciência