Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Mulher que batalhou 44 anos contra Esclerose Múltipla decide tirar a vida em uma clínica de suicídio assistido

de Merelyn Cerqueira 0

Sandra Avants, 68 anos, batalhou por 44 anos contra uma esclerose múltipla antes de terminar, deliberadamente, sua vida em uma clínica de suicídio assistido, na Suíça.

Antes de morrer, ela pendurou uma mensagem, juntamente com uma foto de si mesma segurando seu cachorro na cerca de uma passarela, em uma praia na região de Dorset, na Inglaterra. Nos últimos anos, sua condição havia piorado bastante, deixando-a com dores insuportáveis. Ela temia que ficasse incapaz de se alimentar ou fosse enviada a um lar de idosos, assim, tomou a dura decisão de encerrar sua vida.

De acordo com o marido, Arthur Avants, Sandra estava com uma dor irremediável e insuportável, apesar dos medicamentos utilizados. “Eu não queria que ela tivesse feito isso [suicídio assistido], mas ela chegou a um ponto onde, além de a dor terrível que sentia, ainda havia um monte de dificuldades, como de deglutição e respiração. Ela pensou que dentro de três meses estaria em uma casa de repouso, sendo alimentado através de um tubo, incapaz de falar”, disse ele.

suicidio-assistido-na-Suica_01

Muito relutantemente, eu entendi isso. Nós concordamos que eu não iria impedi-la, mas a ajudaria”, completou. Na carta deixada, ela se despediu do marido, amigos e do cachorro Frederick, que costumava acompanhá-la em passeios. 

A Esclerose Múltipla, trata-se de uma condição neurológica debilitante que afeta o sistema nervoso central e medula espinhal. De acordo com informações obtidas no Daily Mail, todas as fibras nervosas do corpo são rodeadas por uma camada protetora chamada mielina. Ela funciona como um “cabo de isolamento”, ajudando as mensagens enviadas para o cérebro chegar na medula espinhal ou outras partes do corpo. Assim, no caso dos portadores da doença, o sistema imunológico do corpo ataca essa mielina. Quando ela está danificada, há uma dificuldade no trajeto dessas mensagens. Dependendo de onde o dano à mielina ocorrer, isso vai afetar diferentes parte do corpo, variando em níveis sutis da doença até casos gravíssimos como o de Sandra.

[ Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência